Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Sabe mais sobre o PARTNER 2, o estudo para casais serodiscordantes

Partner 2 1.1.jpg

És HSH (homem que faz sexo com homens)? És seropositivo? Tens uma relação estável com o teu parceiro? Então podes participar neste estudo.

 

A segunda fase do estudo PARTNER começou em 2014 e estender-se-á até 2017. O objectivo é claro: “entender o risco de transmissão do VIH quando o parceiro seropositivo está em tratamento”.

A fase 1 do estudo PARTNER, que decorreu entre 2012 e 2014, deu a entender que não houve nenhum caso de transmissão do VIH entre parceiros. Os resultados foram divulgados em Março de 2014 e foram promissores. 1140 casais foram acompanhados, dos quais 684 (60%) eram heterossexuais e 456 (40%) eram homossexuais masculinos. Os casais eram serodiscordantes, ou seja, um era seropositivo (estava infectado com o VIH) e o outro seronegativo (não tinha VIH). O seropositivo estava a fazer uma terapêutica anti-retroviral (tomava a medicação conforme prescrição médica e de forma regular), que lhe permitia ter uma carga viral indetectável (onde há uma pequena quantidade de VIH no organismo, significando que o VIH está controlado). Para aferir os riscos de transmissão os casais teriam práticas sexuais desprotegidas. Ao seronegativo apenas era solicitado que fizesse o rastreio regular ao VIH. A ambos foi solicitado que preenchessem regularmente um inquérito sobre as suas práticas sexuais. Estes inquéritos eram individuais, confidenciais e nenhum membro do casal deveria saber as respostas um do outro.

O prolongamento do estudo PARTNER para uma nova fase, a fase 2, visa acompanhar apenas casais homossexuais masculinos. O objectivo com esta nova fase é determinar com maior precisão se, quando um homossexual masculino está a fazer a sua terapêutica de forma regular e a sua carga é indetectável, a probabilidade de a transmitir ao seu parceiro é nula. A confirmação desta hipótese poderá ajudar a combater alguns estigmas. Nesta fase os casais elegíveis para o estudo têm que estar nas mesmas condições que os anteriores: um dos parceiros ser VIH positivo e estar em tratamento antirretroviral; um dos parceiros ser VIH negativo; enquanto casal, tiveram sexo anal sem preservativo no último mês; enquanto casal, pretendem voltar a ter relações sexuais nos próximos meses; ambos os participantes serem maiores de 18 anos.

O estudo PARTNER  é promovido pelo CHIP (Center for Health & Infectious Disease Research – Centro para a Investigação em Saúde e Doenças Infecciosas) na Dinamarca. Desde o início que o estudo pretendia que fosse alargado a outros países europeus. Portugal é um dos que participa desde o início através do Hospital de Dia de Doenças Infecciosas do Hospital de Santa Maria, cujo responsável é o Dr. Nuno Janeiro.

O dezanove.pt sabe em primeira mão que o centro CheckpointLX será parceiro neste estudo com as seguintes funções: recrutar casais serodiscordantes para o estudo através do contacto com os HSH que fazem o rastreio para o VIH no centro em ligação com o Hospital de Santa Maria, o rastreio do VIH do parceiro seronegativo e recolha dos inquéritos do casal.

O estudo começou com a constatação, por alguns médicos nas suas consultas a pacientes infectados, de que muitos casais serodiscordantes não tinham sexo protegido. Assim, através do PARTNER, tenta-se provar que o risco de infecção nestes casais, na prática, é nulo.

 

CHIP – Center for Health & Infectious Disease Research http://www.chip.dk/

CheckPointLX http://www.checkpointlx.com/

Hospital de Santa Maria http://www.chln.min-saude.pt/ 

Hospital de Dia de Doenças Infecciosas 217805283

 

Partner 2

 

Partner 2 2.1.jpg

 

Partner 2

 

Partner 1 study 2012 a 2014.jpg

 

Luís Veríssimo