Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

“Selma e Stonewall são basicamente o mesmo movimento”

Joe Biden, vice-presidente dos Estados Unidos, abordou esta sexta-feira o tema dos direitos humanos durante a Convenção Primavera da Igualdade, em Washington D.C., comparando a luta pelos direitos LGBT à iniciada pelos afro-americanos há cinco décadas naquele país.

Biden considera que os direitos civis pelos quais os afro-americanos lutaram em Selma (Estado do Alabama) há meio século são os mesmos que hoje reivindicam os activistas LGBT. Sendo desde sempre um apoiante do casamento entre pessoas do mesmo sexo, Biden estabeleceu semelhanças entre os direitos LGBT e o movimento pelos direitos civis durante uma conferência organizada pelo maior grupo LGBT dos EUA, a Human Rights Campaign.

Biden disse que nunca imaginou estar ao serviço de um presidente negro, que nunca pensou ver chegar a altura em que gays assumidos pudessem integrar as forças armadas, assistir à decisão do Supremo Tribunal em revogar a lei anti-sodomia ou viver o momento em que a maioria dos estados legalizaria o casamento de pessoas do mesmo sexo.

“Selma e Stonewall são basicamente o mesmo movimento", considera o vice-presidente, invocando os motins de Stonewall Inn, em Nova Iorque, no ano de 1969, e que marcaram simbolicamente o início da luta pelos direitos das pessoas LGBT na era moderna e as marchas na cidade de Selma pelo direito ao voto dos afro-americanos e o fim da segregação nos estados do sul dos EUA. Biden mencionou o número de estados sulistas onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é proibido, dizendo que será necessária a ajuda dos activistas para que isso aconteça.

Neste momento, o casamento entre pessoas do mesmo sexo já é permitido em 38 dos 50 estados dos EUA.

 

Pedro Arrayano