Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

As primeiras imagens do filme sobre a morte de Carlos Castro (com vídeos)

 

crime.jpg

A ante-estreia de “Crime” está agendada para 7 de Janeiro de 2015 na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa. O filme é baseado na história do assassinato de Carlos Castro e tem como actores principais João D'Ávila e Ruben Garcia. A realização é de Rui Filipe Torres.

Homicídio de Carlos Castro adaptado ao cinema e pode chegar ao Queer Lisboa

Começa esta terça-feira a ser rodado em Lisboa o filme baseado na história que marcou a actualidade portuguesa no início de 2011: o homicídio de Carlos Castro por Renato Seabra num quarto de hotel em Nova Iorque.

 

Comentários homofóbicos e violentos continuam nas caixas de comentários dos jornais

A notícia publicada pelo Diário de Notícias sobre o facto de Diogo Infante e Rui Calapez terem sido nomeados Casal do Ano tem gerado vários comentários homofóbicos e que incitam à violência.

 

Carlos Castro morreu há três anos e revelou o pior dos portugueses

Um príncipe e um belo conhecem-se, estabelecem uma relação e vivem felizes para sempre. Um enredo que não é novo. A versão moderna e portuguesa da história misturou ficção com realidade, foi escrita a sangue e teve Carlos Castro e Renato Seabra nos papéis principais. Aos portugueses coube decidir quem era o Belo e o Monstro.

Faleceu Guilherme de Melo, figura histórica da comunidade gay portuguesa

Guilherme de Melo morreu este Sábado aos 82 anos no hospital de São José, em Lisboa, vítima de cancro. Nasceu em Lourenço Marques (actual Maputo) a 20 de Janeiro de 1931. Ficou conhecido pelo trabalho como jornalista e escritor. Foi uma das primeiras personalidades a assumir publicamente a sua homossexualidade em Portugal.

 

2011: As notícias em primeira mão do dezanove

Entre as centenas de notícias publicadas pelo dezanove ao longo dos últimos 12 meses, encontram-se várias notícias divulgadas em primeira mão e que depois tiveram repercussão nos restantes meios de comunicação social. Relembra alguns desses exemplos que marcam 2011:

 

 

O que deve ficar a saber e o que pode fazer no Dia Mundial de Luta contra a Sida (com vídeos)

Dia 1 de Dezembro é o Dia Mundial de Luta contra a Sida. Só em 2010 morreram 1,8 milhões de pessoas devido ao vírus da imunodeficiência humana (VIH) e foram registadas cerca de 2,7 milhões de novas infecções.

Entrevista a Paulo Côrte-Real: "O discurso de ódio não é aceitável"

No início do mês o dezanove avançava em primeira mão que, na sequência das notícias publicadas sobre a morte do cronista Carlos Castro, a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) decidiu condenar os jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias, i e Público por "terem ultrapassado os limites que devem ser respeitados pelos órgãos de comunicação social em todos os conteúdos que transmitem". O dezanove foi ouvir o que Paulo Côrte-Real, Presidente da associação ILGA Portugal, tem a dizer sobre este caso.

Caso Carlos Castro: ERC não quer comentários homofóbicos nos jornais

Os comentários homofóbicos nos sites dos jornais Público, Diário de Notícias, Jornal de Notícias e Jornal i a propósito da morte do cronista Carlos Castro no início do ano levaram dois cidadãos a  apresentar queixa à Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC).
O dezanove sabe que, Daniel Silva, um dos queixosos, solicitou a intervenção da ERC após verificar que os espaços de comentários dos jornais “foram inundados de comentários insensíveis, ofensivos e geralmente homofóbicos", lamentando em simultâneo que os editores e coordenadores destes meios de comunicação não tenham exercido uma moderação nestes espaços. O mesmo leitor aponta que notícias sobre homossexuais originam comentários que incitam à violência e ao  "extermínio dos homossexuais".

Pedido de atribuição de rua a Carlos Castro já foi entregue. No Facebook 30 mil estão contra

 

Io Apolloni, Lili Caneças, Maria João Gama, Mila Ferreira, António Aldeia e Aristides Teixeira estão entre as pessoas que solicitaram à Câmara Municipal de Lisboa que seja atribuída a Carlos Castro o nome de uma rua da capital. A proposta, que já foi entregue à vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, será submetida à Comissão Municipal de Toponímia. Segundo os subscritores da proposta, a atribuição de uma rua prende-se com o "talento literário" de Carlos Castro, por ter sido "uma referência na crónica social" e "um defensor de causas, nomeadamente do combate à homofobia".

 

 

 

Broadway, a última morada de Carlos Castro. Homofobia “desbragada” gera reacções (vídeo)

Uma semana depois da sua morte, as cinzas de Carlos Castro foram espalhadas na Broadway em Nova Iorque. Este foi, aliás, um dos desejos do jornalista finalmente realizado após alguns dias de hesitação sobre a viabilidade de espalhar as cinzas na via pública. As cinzas foram depositadas junto de uma conduta de ar do metro nova-iorquino pelas irmãs e pelo amigo Carlos Montez.

 

Renato Seabra: “Já não sou gay”

Renato Seabra já admitiu a autoria do assassinato de Carlos Castro e será acusado de homicídio em segundo grau. Segundo relata o New York Post, o modelo de 21 anos terá dito às autoridades que cometeu o crise para livrar dos "demónios e do vírus (da homossexualidade)". "Já não sou gay", terá também afirmado.

 

Carlos Castro: Uma vida que dava um verdadeiro filme

Carlos Castro nasceu em Moçâmedes, Angola, em 1945. Empurrado pelo relacionamento difícil que tinha com o pai, aos 15 anos vai para Luanda onde começa a colaborar com jornais, revistas e rádios. É na capital angolana que vence o festival de Luanda com o poema Feitiço de Tinta. Quando em 1975, após a independência de Angola, se instala em Lisboa, dedica-se ao transformismo até conseguir singrar como cronista social. Carlos Castro nunca escondeu as dificuldades e privações que teve de passar até ser reconhecido. Era frontal, directo e polémico.