Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

2016 em 10 filmes (mais ou menos) LGBTI

 filmes 2016.png

Este ano houve filmes para todos os gostos e sabores, apesar das poucas estreias comerciais em Portugal de filmes com conteúdos LGBTI. Os visionamentos passaram, sobretudo, pelos festivais e mostras de cinema. A escolha foi difícil mas eis que chegámos aos 10 filmes que marcaram o ano. Os filmes foram listados por ordem alfabética. 

 

A vida que se entranha em “Love Is Strange” (com trailer)

Love is Strange_3.jpg

4star800.jpg

 

 


Finalmente estreia em Portugal “Love Is Strange – O Amor É Uma Coisa Estranha”, filme de 2014 realizado por Ira Sachs. Esteve para estrear por duas vezes nesse ano e mais outra em 2015. E o facto de só agora estrear nos cinemas portugueses é a maior crítica que se pode fazer.

 

2014: Filmes que se destacaram e um a pensar em 2015

pride.jpg

Ao longo de 2014, o dezanove destacou várias produções cinematográficas com componente LGBT. A poucos dias do fim do ano fazemos a revisão da matéria dada.

 

O palmarés do Queer Lisboa 16: "Keep the Lights On" bisa nas distinções (com vídeo)

91 filmes depois a 16ª edição do Queer Lisboa chegou ao fim este Sábado no Cinema São Jorge em Lisboa. A organização aponta que tenham passado pelo certame cerca de 7500 espectadores ao longo dos nove dias do festival de cinema mais antigo da capital.

O prémio da Melhor Longa-Metragem foi atribuído ao filme norte-americano “Keep the Lights On”, de Ira Sachs. O júri, composto por João Federici e João Rui Guerra da Mata, justifica a escolha porque a fita, também galardoada em Fevereiro com um Teddy em Berlim, “olha para o real sem tropeçar na facilidade do realismo social” e “usa o cuidado de uma direcção de fotografia clássica e uma banda sonora que não é mero papel de parede para nos conduzir ao espaço de uma vida a dois, respirando verdade mas, ao mesmo tempo, uma ideia de construção de som e de imagem. E isso é cinema”.