Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Vítor Silva: “Todas as conquistas das últimas décadas foram conseguidas à custa do activismo LGBTI”

rede ex aequo 2017.jpg

Queríamos que a primeira entrevista do ano no dezanove fosse feita com os olhos voltados para o futuro. Nada que melhor do que o fazer com a rede ex aequo - associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, trans, intersexo e apoiantes. A única associação de jovens LGBTI de Portugal completa este ano 14 anos de existência e, apesar dos avanços na lei, continua a receber pedidos de apoio ao mesmo tempo que sente a necessidade de se reinventar e aos seus projectos base.

Fomos falar com Vítor Silva, o recém-eleito presidente desta associação de jovens, para saber das novidades que se avizinham, como as referências o concerto solidário e o acampamento internacional para jovens LGBTI, e as apostas que são para manter. Pelo meio ficamos a conhecer a nova Direcção e os apelos que são feitos a quem ler esta entrevista.

À 17ª edição, foram estas as reivindicações no Orgulho LGBTI de Lisboa (com vídeo)

Marcha_LGBT2016_Panorama Palco.jpg

É uma das marchas reivindicativas portuguesas com mais organizações presentes. Nem todas estas associações e colectivos dirigem o seu trabalho primordial junto de pessoas LGBTI, mas são unânimes na luta contra a discriminação e na defesa da igualdade. A marcha mais colorida da capital do país contou este ano com 21 organizações e ainda um colectivo recente que levou uma das maiores ovações da tarde: Colectivo de Mulheres Negras Lésbicas de Lisboa - Zanele Muholi (artigo em construção).

 

rede ex aequo disponível para ir ao Colégio Militar falar sobre orientação sexual

 CM_rede ex aequo_1.jpg

Num comunicado a associação rede ex aequo afirma que contactou a direcção do Colégio Militar para apresentar aos alunos da instituição o Projecto Educação LGBTI. No entanto, o Colégio recusou. Lê o comunicado e as razões apresentadas para a recusa.

"Os jovens mudaram e a rede ex aequo também está em mudança"

dezanove_catiafigueiredo.jpg

Em Junho de 2006, com 16 anos, fiz uma pesquisa sobre um livro de temática trans que tinha interesse em ler e sem querer encontrei o site da rede ex aequo. O primeiro contacto que tive com esta associação foi através do fórum online, como tantas outras pessoas, onde se debate sobre uma imensidão de questões relacionadas com a orientação sexual e a identidade e expressão de género. Nunca tinha tido acesso a tal informação, nem na escola nem em casa. Ou melhor, ouvia alguns insultos a voarem. Algo está errado quando uma jovem fica a saber o que é uma fufa antes de lhe ser ensinado o que é uma lésbica.

 

 

rede ex aequo vai aos clubes de futebol e de futsal explicar integração das pessoas LGBT

Desporto para todes.jpg

A associação rede ex aequo, em parceria com a Fare Network, está a levar a cabo o projecto “Desporto para Todes” que pretende promover o debate e sensibilizar jogadores, treinadores e corpos dirigentes dos clubes de futebol e futsal para a integração de pessoas LGBT.

Já são conhecidos os premiados da rede ex aequo

isaura_change_it.jpg

A associação juvenil LGBTI de Portugal decidiu distinguir na 11ª edição do prémios ex aequo (antes designados Prémios Média) os responsáveis pela novela “Os Nossos Dias”, várias reportagens dos jornais Observador e P3, o videoclip "Change It" da cantora Isaura, os youtubers Lorenzo e Pedro, e Maria Gil e Miguel Bonneville, pela autoria dos espectáculos “Medo e Feminismos” e “A importância de ser Simone de Beauvoir”. 

Violência contra pessoas LGBT tema do "Queridas Manhãs" (com vídeo)

CÁTIA FIGUEIREDO REDE EX AEQUO VIOLENCIA LGBT.bmp

Júlia Pinheiro, apresentadora do programa das manhãs da SIC, convidou o casal Lorenzo e Pedro e a vice-presidente da rede ex aequo Cátia Figueiredo para falaram de violência homofóbica em Portugal.