Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Tragédia do voo da Malaysia Airlines significa também um retrocesso na investigação do VIH

Vários meios avançaram que a tragédia da última quinta-feira nos céus da Ucrânia tinha vitimado cerca de 100 investigadores do vírus da imunodeficiência adquirida (VIH) que se iriam reunir em Melbourne, na Austrália, no âmbito da 20ª Conferência Internacional sobre a sida.
Fontes oficiais referem agora que no voo estavam seis investigadores que procuravam uma cura para a sida. Mesmo assim, a comunidade científica fala em "retrocesso" na luta contra a doença. Entre as vítimas estava Joep Lange, ex-presidente da Associação Internacional da sida e um dos investigadores que liderava a pesquisa do VIH. Vê o vídeo de Joep Lange abaixo.
A 20ª International AIDS Conference começou este Domingo, dia 20, e decorre até dia 25 de Julho. Neste Domingo cumpriu-se um minuto de silêncio pelas vítimas do voo MH17. Durante seis dias estarão no terreno 14 mil especialistas e interessados no tema. O GAT - Grupo Português de Ativistas sobre Tratamentos de VIH/SIDA – Pedro Santos - fará a tradução para português dos boletins de notícias da conferência. Para os subscrever é simples e gratuito, basta preencher o formulário: bit.ly/1qV6r6R
 
“Apesar da tragédia na Ucrânia onde morreram caros amigos nossos (Joep Lange e Martine de Schutter (AAE) a caminho da Conferência Mundial AIDS 2014, o Fórum e os decisores deveriam discutir os objectivos propostos para o tratamento e cascata do tratamento 90% diagnosticados, 90% em tratamento 90% em supressão viral. São objectivos muito ambiciosos mas é para aí que temos que ir.
Isso obriga a eliminar todas as barreiras ao teste, referenciação e oferta de tratamento a todos. Obriga também a um trabalho sério de promoção da adesão, literacia e retenção no tratamento.
Com os recursos actualmente disponíveis no Programa Nacional para a Infecção do VIH/SIDA e as limitações de referenciação e orçamento, tal não será possível e temos que trabalhar em conjunto para que o preço dos medicamentos desça para níveis que permitam oferecer tratamento a todos os que vivem com o VIH”. As palavras são de Luís Mendão, Presidente da Direcção do GAT, responsável, por exemplo, pelo projecto Checkpoint Lx, e membro de vários organismos que estudam e procuram a cura, a detecção e como melhorar a vida de quem vive com o VIH.

1 comentário

Comentar