Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Uma história de traição gay contada por Miguel Agramonte

 

autor.jpg

"Artur odeia o seu trabalho, mas adora sexo. Marco é segurança privado, trai Nuno mas odeia ser traído por este. Nuno trabalha numa loja de roupas, ama Marco e adora o pénis de Artur. Até que aparece José, que diz conhecer Rafael.” É este o teaser do livro "Quando Tu Nos Mentes", da Capital Books, que vai ser lançado a 2 de Abril, às 15h30, no bar TR3S, em Lisboa.

A nova obra de Miguel Agramonte, que gira em torno de cinco personagens homossexuais, é fictícia, assegura o autor ao dezanove.pt. “Como costumo dizer, tem tudo para poder ter acontecido. Gosto de escrever histórias com as quais as pessoas se possam identificar. Aliás, esse é um dos meus objectivos, o outro é que os leitores tenham prazer ao ler, que lhes possa proporcionar momentos interessantes. Imagino que acabe sempre por existir um ou outro episódio que possa ter sido inspirado em algo que me aconteceu, nem que eu o transponha para a escrita de forma não consciente”, refere Miguel Agramonte.

Nascido em Moçambique, Miguel Agramonte viveu a maior parte da sua vida em Portugal e está agora no Brasil, por questões profissionais. “É sempre muito difícil um escritor não reflectir algumas das suas experiências ou vivências. Mesmo em determinados contextos, onde a liberdade para se escrever fora de parâmetros ‘convencionais’ é muitíssimo maior, acredito que o escritor acabe, sempre, por passar algo seu, nem que seja na construção dos perfis de uma ou outra personagem”. A obra, ressalva, foi escrita em Portugal.

“A motivação para lançar o livro tem a ver com o tentar colaborar para a existência de uma oferta mais alargada da chamada ‘literatura LGBT’, principalmente a nível nacional, onde a produção ainda vai sendo escassa. Acho que quanto mais literatura do género existir, maior projecção se consegue para histórias que, afinal, pertencem ao dia-a-dia de todos nós. É curioso ver o número de pessoas com quem falo que não fazem ideia de que existem livros de temática gays e, muitos deles, de autores famosos”, aponta Miguel Agramonte.

3 comentários

Comentar