Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Memorial às vítimas de LGBTfobia inaugurado em Lisboa (com vídeo)

P70617-153440.jpg

Foi inaugurado, este Sábado, ao início da tarde, no Jardim do Príncipe Real, o memorial das vítimas da violência homofóbica e transfóbica em Portugal. A ideia partiu de uma proposta do vereador suplente da Assembleia Municipal da Câmara de Lisboa e Presidente da Opus Gay, António Serzedelo.

O descerramento desta peça escultórica, de autoria de Rui Pereira, teve início ao início da tarde de Sábado, dia em que se realiza a 18ª Marcha do Orgulho LGBT de Lisboa.

A cerimónia contou com as presenças do Vereador do Pelouro dos Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa (CML), João Afonso, e da Presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, Carla Madeira, para além de Sérgio Vitorino (Panteras Rosa), Marta Ramos (Ilga Portugal), do escultor Rui Pereira e de António Serzedelo.

memorial LGBt Homofobia Lisboa.jpg

João Afonso da CML declarou que "não basta transportes, dinheiro, não bastam ruas, a liberdade de ser passa pela liberdade de respeitar o outro". Continuamos a viver numa sociedade muito oprimida, que não tolera, que não é totalmente livre e em que todos não somos aceites pelo que somos. Este memorial é para o futuro, para lembrar a porta que temos de ultrapassar, o caminho que temos de fazer para de facto vivermos numa sociedade coesa, igualitária e justa".

Rui Pereira explicou a simbologia da estátua: um monumento de portas abertas que representa pessoas que podem ser qualquer um de nós, pois todos nós podemos ser vítimas de agressões inqualificáveis, pois o ser humano tem tanto de bestial como de besta e estamos a falar de uma perspectiva humanizadora da própria sociedade". Este espaço é um espaço introspectivo, de refexão, que talvez seja um pequeno apontamento daquilo que devia ser o nosso mundo: um espaço verde em que qualquer um de nós pode estar como se fosse a nossa casa." 

"Onde não houver respeito pelos Direitos Humanos não há democracia", disse António Serzedelo no seu discurso. 

Na estátua pode ler-se: "Lisboa de Abril, Cidade do Mundo. Homenagem às Vítimas da Intolerância Homofóbica". 

 

Assiste ao momento aqui: 

 

Na foto inicial:  Margarida Martins, António Serzedelo, João Afonso e Rui Pereira

 

Álbum de fotos de Luís Costa aqui: https://www.facebook.com/pg/dezanove/photos/?tab=album&album_id=1498368480185409

 

Acompanha hoje a Marcha do Orgulho LGBT de Lisboa no Facebook do dezanove: www.facebook.com/dezanove