Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

35 e solteiro

miguel.png

Tenho 35 anos (quantos anos é isso em anos gay?) e continuo solteiro. A maioria das pessoas da minha idade já encontrou um parceiro de longa data, um marido ou uma esposa. Muitos já têm filhos. À medida que os anos passam, torna-se cada vez mais difícil evitar perguntas do género: quando é que casas? Como é possível ainda não teres encontrado alguém? Não sentes vontade de ter filhos? Inúmeras vezes usei desculpas como: estou demasiado ocupado com a minha carreira, por isso não tenho tempo para namorar; antes de assentar, quero viajar e conhecer o mundo; etc.

Tudo isso é verdade, mas, com toda a sinceridade, a principal razão pela qual ainda não assentei é muito simples: ainda não encontrei a pessoa certa. Sim, é verdade que tenho altos padrões e não me conformaria com menos. Afinal, estamos a falar da pessoa com a qual eu partilharia a minha vida.

 

Por que é que isto não é um problema?

Ainda que vivamos numa sociedade que nos faz sentir como se ser solteiro fosse algo de muito preocupante, a verdade é que não é assim que eu o experiencio. Eu já namorei. Mas isso significa que eu era mais feliz? De todo! Acho que é um erro comum supor-se que precisamos de alguém para nos fazer felizes. Na minha opinião, isso não poderia estar mais longe da verdade. A minha felicidade não depende de ninguém além de mim. Eu jamais colocaria o peso da responsabilidade pela minha própria felicidade sobre as costas de outra pessoa. Imaginem o quão pesada seria essa responsabilidade!

Além disso, não nos esqueçamos das muitas vantagens de se ser solteiro: posso concentrar-me na minha carreira, viajar quando me apetecer, dedicar mais tempo a actividades que me dão prazer, ter a cama inteira só para mim... Basicamente, posso fazer tudo o que me apetecer sempre que assim o desejar. Emocionalmente, também me sinto muitíssimo mais descontraído.

 

O que realmente me faz feliz

Ser solteiro há já vários anos permitiu-me estar mais em contacto comigo mesmo e (re)descobrir a verdadeira beleza das pequenas coisas que muitas vezes tomamos como garantidas: ver um bonito pôr do sol, observar as estrelas, saborear a minha refeição favorita, ouvir a minha música favorita, dançar como se não houvesse ninguém a ver, adormecer com o som suave da chuva a bater na minha janela, nadar nu, fazer alguém sorrir ...

Isso significa que quero permanecer solteiro para sempre? Claro que não! Apesar das minhas experiências de namoro não terem sido as mais positivas, ver os meus amigos felizes nas suas relações deixa-me feliz e dá-me esperança de que talvez um dia eu também encontre alguém com quem possa partilhar estas coisas boas todas. Estou definitivamente aberto a essa possibilidade. O que estou a tentar dizer é que isso não define a minha felicidade. Com ou sem alguém, serei feliz.

E por este motivo, seria tão bom se parassem de me perguntar por que razão eu ainda sou solteiro e, em vez disso, me perguntassem simplesmente se sou feliz.

 

Artigo da autoria de Miguel Martins, quarto qualificado no concurso Mister Senior Netherlands e vencedor nas categorias Favorito do Público e Melhor Talento