Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Catarina queria o divórcio, mas Ana não aceitou

violência doméstica.jpg

Catarina Gonçalves de 25 anos, foi morta no Porto no passado sábado. A autora confessa do crime é a sua ex-mulher, Ana Miranda de 31 anos.

 

As duas mulheres tinham casado há sete anos, mas os últimos tempos tinham sido conturbados: Catarina pediu o divórcio em Julho do ano passado por ser vítima de violência doméstica, mas Ana não aceitou o fim da relação e começou perseguir a sua ex-mulher, durante oito meses, quer no seu trabalho, quer em sua casa. O cruel desfecho é o que conhecemos.

No passado sábado, no meio de uma discussão Ana acabou por tirar a vida a Catarina. Depois, abandonou o corpo na zona do Amial, Porto. Só posteriormente é que se entregou na esquadra de polícia do Bom Pastor. Sabe-se que ficou em prisão preventiva.

Segundo relata a revista MAGG, há cerca de dois meses, Catarina tinha-se mudado para o Porto para tentar fugir à ex-mulher, algo que não tinha resultado uma vez que Ana Miranda era vista várias vezes junto à casa de Catarina. Os vizinhos de Catarina relataram ser frequente as discussões entre ambas e por consequência as autoridades teriam sido alertadas anteriormente.

A vítima mortal pretendia uma ordem de afastamento. Já se encontrava a correr um processo em tribunal e para além da mudança de casa, mudou de conta nas redes sociais e  limitou o acesso às informações nestas plataformas a amigos mais próximos para que a ex-companheira não tivesse informações sobre a sua vida. Não foi suficiente.

 

Marta Santos

 

📧 Fala connosco: se encontraste algum erro ou incorreção no artigo, alerta-nos.

 

Necessitas de apoio ou conheces alguém que precisa?

Lista de contactos úteis para pessoas LGBTI em Portugal:

AMCV - Associação de Mulheres Contra a Violência - 213 802 165 | ca@amcv.org.pt

AMPLOS - Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual e Identidade de Género – 918 820 063 (Geral) |913 814 884 (Porto) |912 819 752 (Espinho)

APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima - 116 006

API - Acção Pela Identidade - associacaopelaidentidade@gmail.com

API – Associação Plano I (Matosinhos) - 968 612 615C direcao@associacaoplanoi.org

Casa Qui - Associação de Solidariedade Social pela Inclusão e Bem-Estar da População LGBT – 960 081 111 | geral@casa-qui.pt

EIR - Emancipação, Igualdade e Recuperação – UMAR - 914 736 078 | 220 933 787 | eir.centro@gmail.com

ILGA Portugal - Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero – 218 873 918 | 969 367 005 | ilga@ilga-portugal.pt

Linha de Emergência Social - 144

Linha LGBT - Linha Telefónica de Apoio e Informação LGBT – 218 873 922 | 969 239 229

Número de Emergência - 112

Opus Diversidades – Defesa e Promoção dos Direitos Humanos da Comunidade LGBTI+ - 924 467 485 | geral@opusdiversidades.org

Panteras Rosa - Frente de Combate à Lesbigaytransfobia - panteras.lisboa@gmail.com

Quebrar o Silêncio - Associação de Apoio Especializado para Homens e Rapazes Vítimas de Abuso Sexual - 910 846 589 | apoio@quebrarosilencio.pt

rede ex aequo -  Associação de Jovens LGBTI e Apoiantes: 968 781 841 | geral@rea.pt

Renascer - Serviço de Saúde Mental - 968 802 322 | renascer-gabinete@outlook.pt

SOS Voz Amiga - um serviço de ajuda pontual em situações agudas de sofrimento causadas pela solidão, ansiedade, depressão e risco de suicídio: 21 354 45 45 | 912 802 669 | 963 524 660 

 

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por dezanove.pt (@dezanovept)