Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Malta FC: O clube de futebol feminino que pretende libertar-se das amarras da sociedade

malta fc futebol mulheres amadora

Malta Futebol Clube é o nome do mais recente clube da Amadora, que surgiu da necessidade de se criar um espaço de pertença, um espaço que celebre, promova, privilegie e tenha como prioridade o bem-estar das mulheres e a cooperação entre elas. Treinam às quintas-feiras e ao domingo e estão abertas à integração de pessoas que se identifiquem como mulheres, não olhando à idade e/ou à habilidade.

O dezanove.pt foi conhecer um pouco mais deste projecto.

 

 

dezanove: Como é que surgiu a ideia de criar o Malta F.C.? O que pretendem com este projecto?

Malta F.C.: Quisemos organizar um jogo de futebol de 11, em relvado, algo incomum no mundo do futebol feminino de lazer. Como foi um sucesso, decidimos repetir. A certa altura sentimos necessidade de alguma estrutura e organização, daí integrarmos uma treinadora com formação no grupo. As ideias foram fluindo e decidimos organizarmo-nos como um clube. Somos uma equipa que se guia por princípios feministas e procuramos incentivar e apoiar cooperações entre mulheres. Procuramos tornar a prática de futebol acessível a mulheres, em que a idade e a habilidade não restringem a sua entrada na equipa. A integração de uma treinadora no clube tem um fundamento político, por ser uma mulher a treinar mulheres, coisa pouco frequente no mundo do futebol. Gostaríamos de mudar esse padrão. Procuramos criar um ambiente seguro e atractivo, em que o bem-estar das mulheres é prioridade. Divertimo-nos muito e em poucos meses de existência conseguimos criar laços fortes. Foi uma lufada de ar fresco no meio da pandemia! :)

A integração de uma treinadora no clube tem um fundamento político, por ser uma mulher a treinar mulheres, coisa pouco frequente no mundo do futebol.

 

Na biografia do vosso Instagram dizem que são um grupo de mulheres inclusivo. Podem explicar melhor esta ideia? Que tipo de atletas pertencem à equipa? 

A questão da inclusão prende-se com o facto de que a idade, habilidade ou o contacto prévio com o desporto futebol, não se tornam obstáculos no acesso à prática deste desporto na nossa equipa. Consideramos que a treinadora é uma peça fundamental nesta questão, pois ao ajudar as pessoas a evoluírem tecnicamente e a melhorarem a sua forma física, está a capacitá-las e motivá-las a não desistirem, por acharem que não têm jeito para o futebol. Queremos que estas mulheres saibam que podem e devem fazer parte do mundo do desporto. Temos atletas desde os 17 até aos 45 anos e de diferentes nacionalidades. Todas têm uma coisa em comum, que é a vontade de praticar desporto, conviver e divertirem-se. Isto, no século XXI, ainda continua a ser revolucionário, em muitas realidades.

 

Têm sido muito procuradas por atletas que querem jogar futebol? Qualquer pessoa pode fazer parte da equipa? Quem se quiser juntar a vocês, o que deve fazer? 

Podemos afirmar que desde que começamos, todas as sessões de treino, aparece alguém pela primeira vez, o que significa que há interesse e vontade em conhecer a ‘Malta’ e praticar futebol num ambiente livre de pressão! Utilizamos essencialmente a plataforma Instagram para divulgar os nossos eventos e informações sobre mensalidades e treinos. Este clube é um espaço que dá prioridade, privilegia e acolhe pessoas que se identificam como mulheres. Praticamos desporto num ambiente seguro e divertido. Convidamos todas a virem treinar connosco ou, se quiserem, podem visitar-nos para assistirem aos treinos e jogos. Podem enviar-nos mensagem pelo Instagram @maltafutebolclube.

 

Este clube é um espaço que dá prioridade, privilegia e acolhe pessoas que se identificam como mulheres 

 

Acreditam que fazem falta mais equipas como a vossa em Portugal? O que distingue a vossa equipa das restantes? 

Sim. O desporto como lazer, ainda continua a ser vedado a muitas mulheres. Ou por falta de tempo ou em consequência de preconceitos, sentimento de não pertencer ou até falta de exemplos próximos nos seus meios. Ainda é comum, em ambientes desportivos, ouvir comentários depreciativos ou que causam desconforto às mulheres que praticam futebol. Ainda não é ponto assente na nossa sociedade, que as mulheres pisam relvados, chutam bolas e são competitivas. Usar a sua fisicalidade, ainda continua a ser um tabu para muitas mulheres. Daí, que sendo o futebol um desporto de grande contacto físico, através deste projecto, acabamos por desconstruir a imagem conservadora da mulher como ser estritamente delicado. É uma libertação das amarras da sociedade que restringe as mulheres a pouco. Somos fortes e estamos fartas das bocas machistas. Sabemos que algo que nos diferencia é que não somos um grupo de mulheres que simplesmente se junta para jogar, temos sessões organizadas pela nossa treinadora onde aprendemos e treinamos conceitos de futebol. Não achamos que somos uma equipa melhor do que outras como a nossa.

Ainda não é ponto assente na nossa sociedade, que as mulheres pisam relvados, chutam bolas e são competitivas. Usar a sua fisicalidade, ainda continua a ser um tabu para muitas mulheres. 

Estamos felizes por ver cada vez mais equipas com a mesma consciência político-feminista que nós! A cooperação entre mulheres no desporto é uma forma eficaz para conquistarmos um espaço e torná-lo seguro e acessível para todas. Queremos contribuir para a construção e o fortalecimento de uma rede de desporto organizado e orientado, por e para mulheres.

futebol feminino

 

A vossa equipa tem competido contra outras ou têm feito apenas treinos entre vocês?

Sim. Realizamos competições amigáveis mensalmente. São sempre momentos de grandes emoções. É uma óptima forma de convívio e oportunidade para conhecermos outras equipas. Em breve, iremos realizar uma viagem ao Algarve, em que vamos conviver e jogar futebol, durante o fim-de-semana. Também gostamos de festa, e organizamos actividades para além do futebol. Embora sejamos um projecto recente, já criámos fortes amizades e estabeleceu-se um ambiente de companheirismo entre as jogadoras. Treinamos às quinta-feiras e domingos. Estamos sempre abertas a receber novas jogadoras na equipa, por isso quem quiser que se junte a nós!

 

Têm recebido algum tipo de apoio (por exemplo, monetário)? 

Sim, temos o apoio da Decathlon Amadora. Estamos muito satisfeitas com esta cooperação, porque desta forma, conseguimos baixar substancialmente os preços da mensalidade das nossas jogadoras. Uma das nossas preocupações iniciais era como tornar os nossos treinos acessíveis ao maior número de mulheres possível. Não nos podemos esquecer da questão das limitações financeiras, que são frequentemente mais verificadas entre mulheres, e não queremos que estas sejam mais um entrave para integrarem a nossa equipa!! :) Mas, parcerias nunca são demais!

 

Têm recebido feedback positivo ou, também, existem críticas/comentários menos positivos?

Só positivoooss!!! Não é fácil agradar 100% a toda a gente, mas temos tido feedbacks positivos no geral. Muitas jogadoras acabam por nos confessar que ao crescer não tiveram oportunidade de jogar mais a sério e, consequentemente, não aprenderam as bases do futebol. Os nossos treinos são a oportunidade perfeita para recuperar o tempo perdido, mas ainda mais importante, é recuperar a alegria de jogar.

malta amadora fc

Acreditam que seria importante jogadoras de futebol e atletas em geral, em Portugal, falarem publicamente da sua orientação sexual ou identidade de género? Porquê?

A questão da representatividade é sempre uma questão importante na sociedade e nas suas diversas dimensões. O desporto não é excepção. As convenções na sociedade portuguesa, são incompatíveis e dissonantes com a diversidade que existe ao nível das identidades de género e orientações sexuais. Pensamos que cabe a cada uma de nós tentar mudar estas convenções e mentalidades. Qualquer pessoa com mais visibilidade, tem o poder de chegar a mais pessoas, de criar impacto e de influenciar, podendo isto ser utilizado para dar visibilidade a problemáticas estruturais. Conclusão, cada pessoa tem a liberdade de partilhar as suas diversidades e particularidades, e nós achamos que falar publicamente sobre elas é muito importante para que efectivamente mudanças aconteçam.

 

Querem acrescentar outras informações ou comentários?

A nossa equipa surgiu da necessidade de criar um espaço de pertença. Um espaço que celebra, promove, privilegia e tem como prioridade o bem-estar das mulheres e a cooperação entre elas. Gostaríamos de agradecer a todas as mulheres que se têm juntado a nós no campo e contribuído com a sua dedicação, o que permitiu que a MALTA FC tenha alcançado tanto em tão curto espaço de tempo. Sigam-nos no Instagram @maltafutebolclube!

 

Entrevista de Sara Lemos

 

1 comentário

Comentar