Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

“Memórias” de uma Família 

família

Não, ao contrário do que possam pensar, não vou falar na  grandiosa obra de Camilo Castelo Branco, considerada por muitos a sua  mais brilhante escritura - assim dizendo - , não só por a ter escrito em  tempo recorde - tipo, 15 dias como assim?! -, como também por ser uma  obra diversificada. 

Já José Avillez, o grande cozinheiro tuga, num texto publicado em 2016, afirmava que tudo o que se precisa para se poder  saborear esta obra, que nos é tão bem incutida na nossa cultura escolar, eram “250 gramas de sentido de humor, 5 unidades de atenção  compenetrada, 10 decilitros de abertura de espírito, 80 gramas de idas ao  dicionário e romantismo q.b.”, mas não, não vou mesmo falar de Amor de Perdição, apesar de ir retratar memórias de uma família, de uma família fictícia que irá representar todas as demais que existem. Normalmente, o  ser humano tem a necessidade de utilizar as palavras de maneira  incorrecta e, a meu ver, a palavra família é uma delas.

Família, segundo o  dicionário da Porto Editora (é o que tenho instalado no telemóvel, por isso  é mesmo esse que vai), tem incrivelmente mais significados do que estava  à espera, mas aquele pelo qual andava à procura é só um – “(…) grupo  taxonómico (categoria sistemática) constituído por seres que se  assemelham por determinados caracteres e que compreende um ou mais  géneros”; este é o - suposto - verdadeiro significado de família. Mas será  que são apenas os genes que contam? As acções não podem contar? Os  saberes e as verdades não podem contar? Segundo a ciência não. Mas,  segundo o propósito deste texto, sim, a família não é apenas genes, DNA, a cor dos olhos semelhante, do cabelo, da pele, mas sim todo um conjunto  de coisas que muitas vezes a nossa família biológica não nos dá, ou não  nos quer dar, ou ainda não nos pode dar.  

Família pode ser só a biológica mas, normalmente, não é apenas a biológica.

Família pode ser só a biológica mas, normalmente, não é apenas a biológica. Ou por vezes a biológica nem o é, e existem diversos  exemplos e casos particulares que se podem dar a falar sobre este tópico e, um deles, advém de uma pergunta muito simples que aposto que muitos de vós que estão a ler isto, já sentiram (se não sentiram a vossa  família é constituída por deuses imaculados): “aqueles indivíduos nunca fizeram nada por mim, mas mesmo assim, tenho de me dar com eles e  chamar-lhes família?” Tecnicamente sim, mas neste texto vou provar que  não e começando já pela minha definição de família; família, para mim, não são os nossos pais, irmãos, avós, tios, primos e todos os graus de  parentesco que possam imaginar, mas é todo um aglomerado de pessoas  com determinadas características que acabam por nos formar. Como pessoas que me formaram e me irão formar ao longo do tempo, tenho a  minha progenitora, as filhas dos meus progenitores, a mãe da minha  progenitora – não sei porque comecei com a coisa da progenitora, mas acho piada –, as minhas pessoas mais próximas como: a minha prima que  é uma maninha mais nova para mim; as pessoas que cuidam de mim quando estou de férias na casa delas, ou seja, os meus “pais adoptivos” – como eu lhes gosto de chamar –, os meus padrinhos de baptismo, que  mesmo longe conseguem ser os meus grandes substitutos, que me compram uma laranja do Algarve todos os dias para eu não me esquecer  do sítio onde vivo, e não ter saudades da minha pontinha mais a Sul da Europa; as minhas amigas e amigos mais próximos, de quem eu tenho  tantas saudades e, por fim, a minha namorada que me torna (tal como  toda a gente aqui referida) o melhor de mim e me ajuda sempre que  necessito e, com isto, não só vim a provar aquilo de que as boas famílias  são feitas, como também vim aqui demonstrar que família é quem cria,  ajuda e quer ajudar e não quem tem o mesmo tipo de sangue que eu, que  tu (que estás a ler este texto) ou que vossemecê está lende.  

E aqui está o que é a família para mim, porque de certeza que irá  haver alguém a discordar da mim… e ainda bem! Ainda bem que somos  todos diferentes e que cada um tem a sua opinião sobre este assunto,  pois também depende muito do tipo de família biológica e não biológica  que cada um tem.

(aqueles indivíduos nunca fizeram nada por mim, mas mesmo assim, tenho de me dar com eles e chamar-lhes família?)

E foi numa ida, numa viagem bastante básica, que me lembrei de falar sobre este assunto – uma coisa super à toa… nessa  viagem e mais tarde na razão pela qual fui buscar a minha família: o tal almoço de família que toda a gente adora, fiquei a pensar naquela frasezinha que enunciei à pouco (aqueles indivíduos nunca fizeram nada por mim, mas mesmo assim, tenho de me dar com eles e chamar-lhes família?), e dessa frase nasceu este lindo enunciado sobre a tal “família fictícia” que não é assim tão fictícia afinal de contas. E é aqui que vos  deixo a pensar neste assunto e espero realmente que pensem e  repensem nas coisas, mesmo nas mais pequenas, por é delas que a vida  é feita. 

Beijo.