Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Não vai haver bandeira do arco-íris hasteada no Porto. Associações LGBTI acusam autarquia de “falta de sensibilidade”

bandeira arco iris porto 17 maio

Um comunicado de imprensa divulgado este sábado pelo Conselho Consultivo para as questões LGBTI (CCLGBTI) acusa a autarquia liderada por Rui Moreira de “falta de sensibilidade” por não hastear a bandeira do arco-íris no edifício dos Paços do Concelho do Porto na próxima segunda-feira, Dia Nacional e Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia.

A proposta tinha sido feita à autarquia pela AMPLOS - Associação de Pais e Mães pela Liberdade de Orientação Sexual e Identidade de Género, que integra o Conselho Consultivo composto no total por 13 entidades e 9 especialistas em temática LGBTI.

Ao jornal Público a autarquia deu a mesma justificação dada à associação: “não tem como prática hastear bandeiras, para além das protocolares” dado o Código Regulamentar do Município do Porto.

“O CCLGBTI lamenta esta falta de sensibilidade por parte do executivo portuense e, em particular do seu presidente, Dr. Rui Moreira, tanto mais que vemos assim cavar-se um fosso para tantas outras cidades portuguesas (a começar por Lisboa, mas muitas para além da capital) que têm vindo a aderir a esta jornada tão carregada de significado que é o assinalar do dia 17 de Maio”. 

A comissão organizadora da Marcha do Orgulho LGBTI+ do Porto subscreve este comunicado e acrescenta que tal como a iniciativa "Por um Porto que se lembre de Gisberta Salce Júnior" esta acção é “de extrema importância para quebrar  as prisões da exclusão social a que uma parte da população se vê sujeita. Estamos perante um executivo ultra-conservador, opressor e que desrespeita a democracia do que se quer ver florescer no espaço público”.

Recorde-se que a data de 17 de Maio assinala a decisão da Organização Mundial da Saúde, por, em 1990, ter retirado a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID).

Para assinalar de igual forma este dia o CCLGBTI marcou, para a próxima próxima segunda-feira, uma concentração junto ao edifício da Câmara Municipal do Porto pelas 13 horas.