Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

O que está a mudar na nossa Sexualidade?

Susana Jones

A propósito do livro “The New Sexual Landscape and Contemporary Psychoanalysis” de Danielle Knafo and Rocco Lo Bosco (2020), que nos fala, para além de muitos outros temas, de novas perspetivas e mudanças no âmbito da sexualidade e da nossa relação com o sexo, gostaria de vos trazer algumas ideias para reflexão.

 

A nossa forma de ver o sexo e a nossa sexualidade tem vindo a mudar e apesar de tudo, muitas barreiras relativamente ao comportamento e costumes sexuais foram removidas nas últimas décadas. Só para dar alguns exemplos, podemos desde já pensar na popularidade e fascínio pelo chamado sexo casual, ou seja, sem ligação amorosa, leva a autora Suzanne Venker (2018) a anunciar que “o namoro está oficialmente morto”. Não sei se estará, mas que a forma como se namora e os “passos” que são dados nesse sentido estão diferentes e começa logo pelo início, muitos dos encontros, relações e até casamentos, de hoje em dia, começam online (Garcia 2013) e são algo amplamente aceite. O autor do livro “ Modern Romance” Aziz Ansari (2016), diz-nos com graça que quem tem um smartphone, hoje em dia, tem um “bar de solteiros” sempre disponível no seu bolso, ou, diria eu, é o representativo do antigo baile da aldeia, agora não com os dotes de dança para observação, a roupa escolhida para a ocasião ou quem vai ser convidada para dançar, mas os abdominais mais definidos, o filtro bem colocado para realçar aquela imagem em biquíni na praia, ou se recebeu match no Tinder. Noutra esfera, já ligada à identidade e género, e apesar de termos muito ainda a evoluir, existe uma maior aceitação do gay, bissexual e transexual (Pew Reserch Center 2013). O poliamor e o sadomasoquismo antes eram considerados perversos. Uma grande parte do millennials praticam sexting ou partilha de fotos de cariz sexual.

A nossa forma de ver o sexo e a nossa sexualidade tem vindo a mudar e apesar de tudo, muitas barreiras relativamente ao comportamento e costumes sexuais foram removidas nas últimas décadas.
 

A pornografia na internet oferece todo o tipo de sexo que se possa imaginar e estudos (Rothman et al., 2018) indicam que uma criança começa a ser exposta a estes conteúdos pelos seus 11 anos, isto se não falarmos que não é difícil, em pleno dia, uma criança encontrar num canal qualquer uma cena de sexo. Umas décadas antes, seria preciso procurar bem pela casa para encontrar escondidas umas revistas do pai ou irmão mais velho e talvez uma cassete de vídeo com pornografia, mas era preciso ir à procura com a intenção de encontrar.

Bonecas sexuais e robôs crescem de popularidade, alguns homens japoneses já casam com bonecas do mundo da Realidade Virtual.

Curiosamente apesar desta revolução sexual impulsionada pela tecnologia, os jovens, segundo alguns estudos, estão a fazer menos sexo e mais tarde na sua vida, apesar do que se possa pensar. Movimentos como o “Me too” e o “Time`s up” estão a clarificar o significado do sexo consentido, o que traz empoderamento às mulheres mas deixa a questão nos homens dos seus motivos e comportamentos.

Mais millennials têm queixas de disfunções sexuais e alguns jovens homens já usam Viagra, algo que até há pouco tempo só pensado para homens mais velhos. Mas este comprimido azul não é só usado para a disfunção eréctil, muitos jovens usam de forma recreativa para enaltecer a sensação durante a penetração ou para dar um impulso na sua confiança a nível sexual (diz-nos Nojas, 2018) o que nos pode fazer pensar numa preocupação excessiva pela potência e o desejo de se sair bem no acto sexual. O que nos leva a questionar se estes jovens estão a fazer sexo com sentido, com sentimento, ligando também ao amor, à relação. Não é que o tenham de fazer. Mas que implicações existem se, desde cedo, não perceberem e aprenderem de forma também clara e explícita, a importância, o valor e a ligação do sexo ao amor, numa relação a dois e toda a implicação na relação consigo, com o seu corpo, com a sua intimidade e com a intimidade não só sexual que pode estabelecer com o outro, tal como o prazer que daí pode retirar? Não basta saber como se fazem os bebés, que protecções usar e a que doenças ficam expostos mas todos os aspectos relacionais e afectivos que daí advém.

Que implicações existem se, desde cedo, não perceberem e aprenderem de forma também clara e explícita, a importância, o valor e a ligação do sexo ao amor, numa relação a dois e toda a implicação na relação consigo, com o seu corpo, com a sua intimidade e com a intimidade não só sexual que pode estabelecer com o outro, tal como o prazer que daí pode retirar?

 

Noutro oposto, outros decidem renunciar ao sexo, escolhendo uma vida de solteiro ou celibato. Emma Watson actriz conhecida pelos filmes do Harry Potter, parou de se descrever como solteira e passou a classificar-se como “a sua própria companhia”. Emma diz em entrevistas que se até aos trinta anos uma mulher não formou família, se não tem marido, se não tem um bebé e em termos de carreira não está estável, pode ser gerador de grande ansiedade para a mulher, como foi para ela. Um homem na mesma situação pode ser considerado livre, que ainda tem tempo, pode aproveitar a vida de solteiro. Esta actriz para além de ser embaixadora da boa vontade da ONU Mulheres, advoga a campanha HeForShe, que estimula os homens a defenderem a igualdade de género (fonte Reuters).

No Japão, alguns jovens referem-se a si próprios como “herbívoros”, desistiram da intimidade sexual como um todo, alegando que é simplesmente trabalho a mais (Harney, 2009; Lim, 2009, May, 2015).

Estas mudanças levam os autores do livro referido ao início, a pensar que a liberdade sexual externa não nos libertou necessariamente de uma inibição sexual ou disfunção sexual e eu diria nem de algum conservadorismo de pensamento gerador ainda de sofrimento.

O sexo continua a ter os seus enigmas tal como para gerações anteriores. O sexo é um poderoso organizador da experiência humana desde o início das nossas vidas até ao fim das mesmas (Haynal, 2006), é responsável pelos nossos encontros mais intensos e define as nossas relações e compromissos. Porque é o que existe de mais privado no animal humano, o sexo é diferente de outras áreas da vida humana, onde habita o seu próprio mundo e segredos.

O sexo continua a ter os seus enigmas tal como para gerações anteriores.
 

Como sabemos, fazer sexo pode melhorar o nosso humor e aumentar a nossa auto-estima ou pode nos levar a um sentimento de vergonha e miséria por diferentes razões (Shadbolt 2009). O sexo tem um papel fundamental na manutenção de uma relação de casal ou no seu fim (Perel, 2006).

As fantasias também têm uma grande importância na vida sexual. A relação entre a mente e os genitais é extraordinária.

A civilização tem tentado gerir e controlar o sexo através de normas e leis mas mesmo quando a cultura expõe e normaliza o que era perverso até então, o desejo individual mantém os seus segredos.

Outra ideia interessante é que apesar de às vezes conhecermos muito bem os nossos pacientes ao longo dos anos de terapia, é difícil predizer como seria a sua vida sexual até eles a descreverem.

As fantasias também têm uma grande importância na vida sexual. A relação entre a mente e os genitais é extraordinária.

Em resposta a uma vasta mudança cultural na vida sexual dos indivíduos, os psicólogos, psicanalistas e terapeutas precisam de alargar os seus horizontes relativamente às vivências sexuais, porque quem procura terapia não quer ser julgado ou alterar os seus comportamentos sexuais (Freeburg & McNaughton, 2017). O que nos traz o desafio de por um lado aceitar e não julgar determinados comportamentos mas ao mesmo tempo estar consciente da construção patológica, formações defensivas e dinâmicas inconscientes. Perceber muito bem o que significa para aquele paciente, principalmente quando encontramos um paciente ou um casal fora do quadro heterossexual, é importante para o psicoterapeuta tolerar o possível desconforto de não conhecer e entrar em territórios estranhos a si mesmo e permitir-se descobrir com o paciente ou casal o que os traz à terapia. Pela nossa experiência no Centro de Estudo e Terapia de Casal e Família, as questões dos casais acabam por ser todas muito semelhantes sendo elas todas diferentes. Quero com isto dizer, que um casal homossexual ou heterossexual num caso, por exemplo, de ciúme ou traição pode trazer exactamente as mesmas questões ao nível do sofrimento e implicações que tem no casal. Muitas vezes nada tem a ver com questões de género ou de sexualidade. Nós psicoterapeutas de adultos e casais podemos ajudar ao longo da sua jornada singular. E não são todas?

Esta questão levar-nos-ia a outro tema essencial ligado à comunidade LGBTQ+, que ainda sofre com a ignorância, desinformação, falta de humanidade e liberdade para se ser quem se é. Mas terá de ficar para uma próxima.

Existe uma paisagem que se avista com muito ainda para descobrir, compreender e aceitar e como António Machado nos dizia “ Al andar se hace el camino”. É muito importante que neste caminho possamos crescer enquanto seres humanos em aceitação e respeito cada vez maior pelas nossas diferenças que nos tornam tão iguais.

 

Susana Jones,
Psicóloga Clínica, Psicoterapeuta de Casais
Centro de Estudo e Terapia de Casal e do Adulto - https://terapiaadois.pt
 
Publicado originalmente na Revista Relações.
 

1 comentário

Comentar