Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

OCUPAÇÃO, de Fado Bicha: “Ou nós somos a dissidência ou não existimos”

fado bicha ocupação

“OCUPAÇÃO” é o nome do primeiro álbum da dupla Fado Bicha, formada por Lila Fadista e João Caçador. Lançado no dia 3 de Junho de 2022, “OCUPAÇÃO” deve o seu nome à luta para existir, ao puxar de uma cadeira que não estava lá e “ao trabalho de ocupar um património cultural que nos pertence também a nós, mas no qual não havia um espaço, um lugar, onde nós pudéssemos existir por inteiro, enquanto bichas” (Lila).

O cd, reflexo também da utilização do corpo enquanto trabalho artístico, aborda o passado e o futuro, as histórias e dores das pessoas LGBTQIA+, a luta, orgulho e homenagem, revelando o carácter político e interventivo da dupla, a qual se caracteriza por uma estética e conceptualidade muito próprias.

O projecto Fado Bicha iniciou-se em 2017, mas para João: “Com a gravação do álbum é o primeiro momento em que temos uma perspetiva artística mesmo musical e somos vistas também, do lado de fora, como um projeto mais a sério e que não é só político, é musical e artístico”. Lila realça este factor no trabalho que têm vindo a desenvolver, partilhando com o dezanove.pt que são artistas que fazem um trabalho político e que, se por um lado estão a começar a aceder a espaços de actuação a que antes não tinham acesso e expectantes com o lançamento deste projecto, por outro não perdem o foco de que o que fazem vai muito para além de música, é principalmente activismo e que é fundamental manter essa coerência e ética de trabalho. 

“Somos uma banda ao contrário – normalmente primeiro as bandas lançam os álbuns e depois fazem vários espectáculos, nós primeiro demos cerca de 250 concertos e só agora é que lançámos o álbum” – partilha João, rindo. O facto de Moulinex se ter juntando ao projecto, produzindo o albúm, deu à dupla muitas possibilidades diferentes daquelas que costumam ter ao vivo, só com a voz e a guitarra. O resultado é um trabalho artístico mais rico e complexo, onde há ainda uma desconstrução maior do fado. 

Em “OCUPAÇÃO”, a dupla conta com a participação de vários artistas da cena queer portuguesa. Fado Bicha afirmam que este era um factor essencial, pois não queriam perpetuar a exclusão de que muitas vezes estas pessoas são alvo. Ter Symone de la Dragma, Passarumacaco, Labaq, Trypas Corassão (Tita Maravilha e Cigarra) e Alice Azevedo, entre outres, é para Lila “algo que simbolicamente é importante para nós, que é fazer música com os recursos que temos e com as potencialidades que temos. É fazermos algo levantado do chão”.

Vê aqui o videoclipe "Crónica de um macho discreto"

Esse simbolismo está também presente na música “ESTOURADA”, onde participa Symone de la Dragma, e cujo propósito, por um lado, pretende ser o de combater a ideia de que quem não gosta ou é contra touradas são as pessoas que não cresceram em meios rurais e, por outro, ser “uma reflexão de como as touradas são um despojo do patriarcado, um elemento de dominação dessa relação do homem com seres que subjuga e que trata como inferiores – neste caso os touros ou a Natureza no geral, mas que também se aplica às mulheres e às pessoas de género dissidente” (Lila).

Fado Bicha são uma dupla musical que se pode enquadrar perfeitamente na categoria de música de intervenção. Para Lila, o que cantam não passa por uma estratégia, mas sim por partilharem coisas que as preocupam e que vivenciam, o que pode ser entendido como algo político e de intervenção. Para João, este título faz-lhes todo o sentido e partilha que ambas consideram que “ou nós somos a dissidência ou não existimos. Basicamente a ideia de nós sermos aquilo que somos entra logo em choque e em confrontação com o cânone e com toda uma estrutura que existe na sociedade, então fica claro para nós que ou somos interventivas e dissidentes ou não existimos. Para nós a nossa música assumir um caráter político, ativista, de intervenção, é uma consequência da nossa existência, de nós contarmos as nossas histórias e de não fazermos concessões para caber nas normas”

A dupla irá fazer a festa de lançamento do álbum no dia 15 de Junho,  a partir das 20h30, no MusicBox, em Lisboa.

 

Jéssica Vassalo e Paula Monteiro

 

 

Fotografia de capa: @daryandornelles, maquilhagem de @crissevero_____, roupas de @atelier.oficina para uma ideia com contribuição de @mar_____s_____igu e design da @desisto.pt.

 

1 comentário

Comentar