Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Projecto Bússola, apoio à comunidade LGBTQIA+ em Guimarães

pexels-sharon-mccutcheon-3738057 (1).jpg

Anunciado a 30 de Junho, o projecto Bússola, com sede nas instalações da C.P.F – Caminho para o Futuro, em Guimarães, foi criado com o objectivo de apoiar toda a comunidade LGBTQIA+, incluído os seus familiares.

 

“A pandemia alertou-nos para a vulnerabilidade de crianças e jovens LGBTQIA+ que possam ter permanecido em ambientes familiares menos positivos, para o isolamento social e para o agravamento da sintomatologia depressiva ou ansiosa.” Decidiu-se avançar com a resposta, “e assim surgiu o bússola” conta Carlos Oliveira, responsável pelo gabinete de apoio.

Em Guimarães, mas disponíveis para todo o Minho, o projecto proporciona um serviço personalizado que concede apoio nas mais diversas situações; desde informações a apoio em incidentes de violência. Há ainda ao dispor a possibilidade de endereçar casos “mais específicos” para outras instâncias, de modo a agilizar todo o processo de auxílio. Questões relacionadas com orientação sexual e identidade ou expressão de género, que sejam direccionadas a outras instituições, contam também com o apoio do Bússola, visando assegurar a qualidade dos serviços oferecidos à comunidade LGBTQIA+ e respetivos familiares.

De acordo com Carlos Oliveira, está tudo encaminhado no sentido de começarem a partir de Setembro. “Acredito que, a partir daí, serão muitas as acções que serão desenvolvidas em parceria com outras entidades”. O responsável ainda adianta que, a nível interno, na própria organização, serão dinamizadas acções, apostando sempre na inclusão de todas as pessoas.

Todos os interessados têm a possibilidade de contactar o Projecto Bússola, através do seu gabinete de apoio, todas as quartas-feiras, das 14h00 às 19h00, ou nas suas redes sociais (@somoscpf). Como é esperança de Carlos Oliveira, “é um caminho que se vai construindo.”

 

Cláudia Castro