Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Regresso a 2019 ou uma nova realidade

banner opiniao_Miguel Rodeia.jpeg

Não podia deixar de escrever sobre este momento que Portugal está a passar e ultrapassar.

Para quem duvidava ou mesmo pensava o contrário - fomos todos iguais. Somos todos iguais.
É a primeira lição a tirar desta pandemia de que agora se vislumbra o possível fim. Espero que as pessoas tenham sentido e entendido, o ser-se igual a todos os outros, independentemente de estrato social, raça, etnia, género, sexualidade e credo.
Todos tiveram essa oportunidade, perante este vírus, de aprender o sentido da igualdade.

Verdadeiramente ninguém sabe muito bem como será a 'nova realidade', de que tanto se fala, provocada por esta pandemia.

As escolas e professores perceberam que podem dar aulas sem ter de ser na sala de aula. Por seu lado os pais viram-se forçados a ter o papel educativo que muitos não sabiam como o fazer.
Fica aberto um caminho para um ensino misto entre o tecnológico e presencial.

O Estado e as empresas perceberam que o teletrabalho funciona e vão reequacionar o seu funcionamento e o tamanho das suas instalações.
Por outro lado, os funcionários perceberam que com o teletrabalho podem ter mais qualidade de vida, não perderem horas em engarrafamentos, gastar dinheiro em almoços, ter mais tempo em família, ter mais tempo para si próprio.

Agora o País vai gradualmente a laborar para o início retoma da economia, mas vai passar ter em conta estas novas percepções adquiridas.
Um sem fim de coisas, que agora as pessoas foram forçadas a aprender a fazer à distância, vai mudar hábitos e costumes.

Ainda está toda a gente a tentar perceber o que será essa 'nova realidade’. Ninguém sabe como vai ser, pode-se apenas fazer extrapolações e especulações.

O uso da máscara, embora não obrigatório em muitas situações, tornou-se parte integrante na nossa indumentária. A distância social será parte do comportamento instintivo individual. Os serviços, escolas, empresas vão-se modificar e readaptar aos novos tempos.

É espectável que, haja um aumento de casos e que será agravada com a chegada da época gripal.
Temos de estar preparados psicologicamente porque poderá acontecer tudo outra vez.
O confinamento, a suspensão de serviços, aulas, empresas, etc… E assim teremos de viver.
Citando o epidemiologista Mário Jorge Santos: "As pandemias mudam a história e a maneira de viver".

Com a vacina poderemos pensar em como se irá reajustar a sociedade, com novos valores e com a aprendizagem adquirida.
Então aí falaremos de uma normalidade que será aquela que colectivamente iremos construir.
Não ‘nova’, apenas diferente.

O SNS foi forçado a regenerar-se de um dia para o outro. Percebeu-se que o sistema de funcionamento podia mudar, diminuir o número de pessoas nas consultas externas, nas salas de espera e que muitos actos médicos podem ser feitos à distância por telefone, por e-mail, até por SMS.
Agora, sem o peso da pandemia o SNS deve utilizar o aprendizado para um atendimento ao doente diferente.

Com muitas dúvidas e poucas certezas, mas com grande esperança que se use esta adversidade para todos fazermos uma sociedade e um País melhor.
Pessoalmente, olho o futuro com alguma tranquilidade.
Havemos de nos levantar e enfrentar o futuro. Tudo depende de nós e da nossa atitude individual.

 

Miguel Rodeia

 

1 comentário

Comentar