Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Sou homossexual e não há problema

banner opiniao_ Filipe Alexandre Gonçalves.png

Tomei a liberdade de escrever estas linhas ao mesmo tempo que espreitava, na rede social Instagram, o discurso de coming out do cantor espanhol Pablo Alborán. Faço por mim? Sim, em jeito de expiação, digamos.

Dizem que as palavras têm o sentido que lhes quisermos dar e neste meu desabafo, em forma de crónica, cada um é livre de lhe atribuir o significado que quiser. Falemos então de palavras. Sem medos! Tal como elas são: Palavras. Cruas, tão genuínas quanto reais. Nunca pensei que a orientação sexual de alguém pudesse ganhar tantas alcunhas. À distância de mais de duas décadas, apercebo-me, agora, de que, ainda em criança, talvez foram esses os primeiros vocábulos a integrar o meu então modesto campo lexical.

Maricas.

Paneleiro.

Gay.

Folheando as páginas da minha memória, surgem-me "flashes" de episódios da minha adolescência em que tinha a perfeita noção de que não queria ser diferente. Sei também que me recusava sê-lo. Esta minha vontade ganhava força de cada vez que era alvo de chacota, nos balneários da escola, após as aulas de educação física. Tirar a roupa à frente de outros rapazes era tão violento para mim, pois sabia que iriam surgir piadas como esta: “Deixei cair o sabonete ao chão, apanha!”

Não respondia. Nunca respondi. E o não ter coragem de responder deixava-me ainda mais triste e envergonhado


Para fintar os comentários cruéis, após o toque de saída da aula deixei de tomar banho e arranjava sempre uma desculpa para não frequentar os balneários. 

Não respondia. Nunca respondi. E o não ter coragem de responder deixava-me ainda mais triste e envergonhado

Mas havia mais.

Aos olhos dos outros rapazes da escola, gostar de me dar com mulheres era meio caminho andado para ser atacado com outros tantos impropérios. Cheguei a fingir que não era comigo. Cheguei a apontar para outro rapaz, e rir-me por fora enquanto chorava por dentro. Tão triste. Confesso que foi na adolescência que aprendi a chorar para dentro (e ainda hoje o faço).

Chorei muitas vezes com o coração, e porquê?

“Porque um homem não chora”! - diziam. “Chorar não é de homem” - rematavam, e eu não queria ser diferente.

Sabem qual era o melhor momento do dia? O regresso a casa. Sobretudo nos finais de tarde de outono, quando chovia. Era ela quem me acalmava. O choro misturava-se com a água; era o único momento em que me dava ao luxo de chorar sem que ninguém reparasse.

Cheguei a soluçar em silêncio, confesso.

Gostava de sentir a chuva a escorrer pelo meu corpo, ao mesmo tempo que me limpava de qualquer sentimento de remorso ou vingança que pudesse conspurcar o meu pensamento.

Mais tarde, naquilo a que chamam adolescência média, revoltado e em negação, embarquei  numa desventura e solitária travessia no deserto.

Pensei claramente que pôr um fim a tudo isto seria mesmo a única e melhor solução. Eram pensamentos que me perseguiam dia e noite

Pensei claramente que pôr um fim a tudo isto seria mesmo a única e melhor solução. Eram pensamentos que me perseguiam dia e noite. E não raras vezes cheguei àquele momento: “É agora, até um dia”. Senti mesmo que a minha vida chegou a estar por um triz.

Depois, não sei como, mas algo dizia-me para me concentrar no que me fazia feliz: comunicar. E foi isso que fiz. Tudo o que era mau só existia num mundo paralelo criado por mim. Só o que me fazia bem vivia no meu mundo.

Passei a ouvir e ler histórias de gente inspiradora. Como hoje!

Aprendi que além do ABC existia um outro alfabeto, às cores: LGBTIQQICAPF2K+ (desde 2018).

Aos 18 anos, saí da Madeira para estudar jornalismo; e assim foi! Corria o ano de 1998, quando cheguei à capital. No entanto, não me deixei envolver pelas novidades, nem pelo bom e mau de uma Lisboa que só conhecia pela televisão.

Para evitar amargos de boca decidi que o melhor seria fechar-me num armário e que sairia de lá apenas quando me sentisse realmente preparado.

Demorou, muito.

Embora alguns suspeitassem, tive de esconder de todos a minha orientação sexual.

E aos poucos apercebi-me: o preconceito estava em mim, não nos outros.

Só aos 26 anos deixei de ter vergonha de dizer o que sempre quis dizer: sou homossexual, e não há problema. Uma frase tão simples, mas ao mesmo tempo tão difícil.

Palavras e o peso que lhes atribuímos, não é o mesmo?

Palavras que, em tempos, tanto me magoaram me fizeram sofrer e aprender a chorar em silêncio; Palavras a que me agarrei quando pensei em desistir; palavras que hoje são a minha vocação e o meu ganha-pão.

E hoje, Pablo Alborán fez-me pensar: Quantxs Pablos existem por aí que também gostariam de dizer que ser homossexual não é problema. 

Quanto tempo mais vamos permitir que a homofobia impeça outrxs de ter a mesma coragem de Alborán.

"Si alguna vez preguntas el porqué /
No sabré decirte la razón/
Yo no la sé/
Por eso y más/
Perdóname"

Obrigadx Alborán.

Filipe Alexandre Gonçalves, jornalista

7 comentários

Comentar