Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Publicidade

I drag myself, e tu?

velvet thunder.jpg

Quantos de nós não reaprendemos a existir e a viver no nosso corpo, no nosso género e na nossa sensualidade com a ajuda destas magníficas divas, as drag queens?! Quantos de nós nunca tivemos um frozen stare moment a vê-las nas suas performances contagiantes, livres de preconceito e de normas sociais?!

 

Dark rooms: cultura LGBTQI+ às escuras?

Carlos Marinho opinião.png

Muito antes do Manhunt, do Grindr, do Scruff, ou do Tinder redefinirem as possibilidades de articulação entre homens gays, já os dark rooms – e outros espaços de cruising (saunas, bares, drag balls, discotecas) – existiam como espaços de construção de cultura, de fomento político-ideológico, e de resignificação das identidades LGBTQI+.

 

O Erotismo como Resistência

eroticarium kinkylharias carlos marinho.jpg

Carlos Marinho é psicólogo clínico, criador artístico freelancer, e activista pela promoção dos direitos LGBTQI+. Baseado em Braga, dirige há três anos um núcleo de serviços dedicado à optimização do crescimento pessoal e comunitário, desde consultas de acompanhamento terapêutico a projectos de intervenção social alicerçados no cruzamento entre os domínios da arte e da psicologia. Definindo-se como um perpétuo aluno, conta no número dos seus principais interesses o estudo da história da humanidade, o feminismo, o erotismo, os estudos queer, a psicanálise, e a identidade individual e colectiva. Até à data, o trabalho artístico tem incluído a produção literária, a representação dramática, o teatro musical, a videografia e as artes plásticas. Foi há sete anos que começou a tomar-se como modelo para explorar a arte da fotografia erótica, mas só recentemente decidiu criar e partilhar os primeiros conteúdos do seu portefólio selfietográfico: ‘Eroticarium: Erótica como Resistência’. Trata-se do perfil de Instagram onde vem expondo, assumindo o seu alter ego ‘Kinky’, estudos visuais como veículo de intervenção social para destacar causas que lhe são significativas.  

 

 

Olhem para as fotos: há uma nova antologia de fotógrafos queer

New Queer Photography

Da Alemanha chega um volume de capa dura com centenas de imagens colhidas nos últimos anos em mundos e submundos de minorias sexuais — imagens eróticas, pornográficas, documentais, artísticas. Em todo o caso, capazes de oferecer uma narrativa abrangente de corpos, comportamentos e contextos, o que é tanto mais valioso quanto na era do Instagram é comum pensar-se que está tudo visto. Mas parece que as imagens não estão gastas.

 

Cara Trancada: "Há mulheres que nunca se masturbaram e encaram a masturbação como algo errado"

cara trancada imagem.jpg

“Cara Trancada” é Carolina Lourenço, ilustradora freelancer e designer gráfica. Começou este projecto ainda como estudante de Design Gráfico na ESAD de Caldas da Rainha e nunca mais parou de desenhar maminhas desde essa altura.

 

Dupla cria projeto fotográfico que aborda nudez e sexualidade masculina

projeto chicos.jpg

Rodrigo Ladeira e Fábio Lamounier são videomakers e amigos há 15 anos. Ambos criaram em 2015 o projeto fotográfico Chicos. A proposta da dupla é o foco no homem gay sob o olhar de outro gay, com ênfase nas suas histórias, experiências relacionadas com a sexualidade e construção de identidade, como também a relação deles com o próprio corpo, não importando a sua forma física. A ideia principal do Chicos é abranger diferentes relatos, corpos, lugares, contextos, através dos participantes que aderiram ao projeto. Falámos com ambos há cinco anos. Voltamos agora para saber mais sobre o Chicos.

 

 

Bee. O Reino das Abelhas, o Reino das Bixas

LABEL-BEE-2.png

Se as abelhas desaparecessem da face da Terra, a humanidade teria apenas mais quatro anos de existência. Sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora. Sem flora não há animais, sem animais não há vida. Sem vida, não há bixas. Sem bixas, não há festa, não há cultura, não há fervo (termo usado para descrever festa).

 

Onde está a comunidade LGBTQI negra de Lisboa?

diego cândido.jpeg

Já tinha dançado até “ficar encharcado em suor”, no bar 49 da ZDB. Já tinha visto grandes DJ’s e talvez noites menos dançáveis. Mas na festa “House of Didi” dei-me conta de outras camadas, que me fizeram repensar a cidade de Lisboa e o Bairro Alto.