Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

O Erotismo como Resistência

eroticarium kinkylharias carlos marinho.jpg

Carlos Marinho é psicólogo clínico, criador artístico freelancer, e activista pela promoção dos direitos LGBTQI+. Baseado em Braga, dirige há três anos um núcleo de serviços dedicado à optimização do crescimento pessoal e comunitário, desde consultas de acompanhamento terapêutico a projectos de intervenção social alicerçados no cruzamento entre os domínios da arte e da psicologia. Definindo-se como um perpétuo aluno, conta no número dos seus principais interesses o estudo da história da humanidade, o feminismo, o erotismo, os estudos queer, a psicanálise, e a identidade individual e colectiva. Até à data, o trabalho artístico tem incluído a produção literária, a representação dramática, o teatro musical, a videografia e as artes plásticas. Foi há sete anos que começou a tomar-se como modelo para explorar a arte da fotografia erótica, mas só recentemente decidiu criar e partilhar os primeiros conteúdos do seu portefólio selfietográfico: ‘Eroticarium: Erótica como Resistência’. Trata-se do perfil de Instagram onde vem expondo, assumindo o seu alter ego ‘Kinky’, estudos visuais como veículo de intervenção social para destacar causas que lhe são significativas.  

 

 

Neste passado obscuro entra o coro da ILGA

peça.jpg

Henden, um homem de 70 anos, casado com Gertrude, de 60, é pai de David, agora casado com Cordelia, mas envolvido no passado com Benjamin, actual marido de Abigail. O jovem Fergus e a sua mãe acompanham com curiosidade a ambiguidade destas ligações. É este o ponto de partida de “Encontrar o Sol”, texto de Edward Albee, que o Teatro Eléctrico vai estrear no São Luiz Teatro Municipal a 17 de Fevereiro. 

 

 

Homenagens a Gisberta em Coimbra, no Porto, em Braga e online

Ano Gisberta.jpg

Activistas, associações e colectivos organizam uma série de eventos físicos e online para prestar homenagem por ocasião do décimo aniversário da morte de Gisberta Salce Júnior. 

"Amo cada detalhe, recanto e reviravolta dela"

M. e A. são duas jovens de 21 e 25 anos que vivem em Braga e em Coimbra. Namoram há um ano, quatro meses e 20 dias. Não se assumem de forma pública devido à família. Segundo uma das entrevistadas é impensável que os seus pais saibam lidar com a discriminação que a sua sexualidade pode provocar.