Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Mais de metade dos trabalhadores portugueses não assume a sua orientação sexual no local de trabalho

trabalho LGBTI.jpg

A primeira edição do estudo “Diversity at Work” do ManpowerGroup revela a realidade da comunidade LGBTQI+ nas empresas e mostra como os trabalhadores ainda têm constrangimentos em abordar o tema da orientação sexual e identidade de género em contexto empresarial: apenas 34% dos profissionais portugueses entrevistados e 41% do universo da comunidade LGBTQI+ sente abertura para revelar a sua orientação sexual no seu entorno laboral. Este valor coloca Portugal a meio da tabela europeia, já que, em pólos opostos, estão a Espanha - 48% dos trabalhadores espanhóis afirmam ter abertura para assumirem a sua orientação sexual em contexto laboral – e a República Checa – com 30% dos inquiridos no estudo a partilhar o seu estatuto com os seus colegas.

 

Os direitos humanos e as pessoas LGBTI+ num ano marcado pela pandemia COVID-19

lgbt rights ilga europe.jpg

A 10ª edição do relatório anual da ILGA Europa, que se dedica a documentar o progresso e tendência em relação à situação dos direitos humanos das pessoas LGBTI+ na Europa e Ásia Central em questões como os direitos das pessoas trans, intersexo e famílias arco-íris, foi divulgado esta terça-feira, dia 16 de Fevereiro, oferecendo-nos uma visão dos acontecimentos ao longo do ano de 2020 sobre o ambiente pandémico e emergências causadas pela COVID-19.

 

Quantos preferem bares, discotecas, restaurantes, hotéis e praias LGBTI ou gayfriendly?

Comércio gay LGBTI.jpg

Quase metade dos das pessoas LGBTI portuguesas (47,1 por cento) frequenta bares ou discotecas em Portugal dirigidas ao público LGBTI. Esta é uma das conclusões do inquérito aos Hábitos de Turismo e Lazer de Pessoas LGBTI Portuguesas, promovido pelo dezanove.pt, em parceria com os guias Lisbon e Porto Gay Circuit.

 

 

A oferta LGBTI é determinante para escolha do destino de férias?

gay beach.jpg

A oferta de locais ou serviços dirigidos ao público LGBTI não é determinante para que as pessoas LGBTI portuguesas marquem férias, segundo o inquérito aos Hábitos de Turismo e Lazer de Pessoas LGBTI Portuguesas, promovido pelo dezanove.pt, em parceria com os guias Lisbon e Porto Gay Circuit.

 

 

Estudo: Lisboa é mais competitiva, Porto pode crescer mais

Turismo LGBTI Lisboa Porto Algarve Portugal Gay Gu

O Inquérito aos Hábitos de Turismo e Lazer de Pessoas LGBTI Portuguesas identificou várias oportunidades para o crescimento de serviços ou negócios associados à comunidade LGBTI.

 

 

Estudo: As marcas mais gayfriendly em Portugal

Marcas LGBTI Friendly de Portugal.jpg

Marcas ou serviços que tenham uma postura gayfriendly e inclusiva são privilegiados pela comunidade LGBTI portuguesa. Esta é uma das conclusões do primeiro Inquérito aos Hábitos de Turismo e Lazer de Pessoas LGBTI Portuguesas, promovido dezanove.pt, em parceria com os guias Lisbon e Porto Gay Circuit. Participaram 1414 pessoas que se identificam como lésbicas, gays, bissexuais, transgénero ou intersexuais (LGBTI), maiores de 18 anos e que vivem em Portugal.

 

 

"As pessoas trans continuam a não ter cuidados de saúde acessíveis e inclusivos"

Sandra Saleiro

Comecei a interessar-me pelo estudo da “identidade de género” na perspectiva das ciências sociais ainda antes da morte de Gisberta.

 

É oficial: as lésbicas têm o melhor sexo

Mulheres em relações estáveis com outras mulheres têm mais orgasmos durante a relação sexual do que mulheres heterossexuais ou bissexuais.

Embora os homens tenham mais orgasmos, as mulheres ficam geralmente mais satisfeitas. É o que diz um estudo norte-americano.

Pediatra Mário Cordeiro: “A criança precisa de um pólo de crescimento e de pessoas que a amem” (com vídeo)

São mais de 700 estudos científicos realizados desde os anos 70 que mostram que as crianças criadas por famílias homossexuais têm exactamente o mesmo presente e o mesmo futuro do que numa família heterossexual. A referência é feita pelo médico pediatra Mário Cordeiro.