Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Goa quer colocar jovens LGBT em centros de reabilitação para ficarem “normais”

goa gay.jpg

Ministro indiano da ex-colónia portuguesa de Goa quer "tratar" jovens da comunidade LGBT com o objectivo de os tornar "normais".

A Índia é um país de contrastes, um subcontinente onde os extremos se tocam. De maravilhas arquitectónicas, paisagísticas e culturais à horrível condição de uma sociedade de castas.

Nas questões LGBT a Índia teve no passado recente algum progresso nomeadamente com a despenalização, em 2009, das relações LGBT pondo fim a uma lei inglesa de 1860, e com o reconhecimento do terceiro sexo que abrange uma grande comunidade transgénero do país. No entanto, sectores extremistas da sociedade conseguiram que o Supremo Tribunal de Justiça anulasse o acórdão de 2009 e a velha lei 377 de 1860 passasse a ser novamente considerada

goa-beach.jpg

Mas a Justiça, e neste caso o poder político indiano, vai mais longe. Em Goa, conhecidas pelas suas praias paradisíacas, o governo local propõe-se curar a comunidade LGBT criando para isso centros de reabilitação tal qual como se de um vício ou de uma doença se tratasse. A proposta vai no sentido de criar um centro similar aos existentes para alcoólicos anónimos e curar quem sofre de tal “maleita” libertando a sociedade indiana, mais propriamente a goesa, do que consideram ser um “problema de saúde pública e moral”. A autoria da proposta é de Ramesh Tawadkar, ministro do Estado indiano de Goa. Os jovens goeses vão ser "treinados" e receber medicação durante o alegado tratamento no centro, disse esta segunda-feira o ministro do Desporto e Juventude. 

As organizações LGBT na Índia e internacionalmente não tardaram em se fazer ouvir condenando esta iniciativa. Gautam Bhan, activista e organizador do festival Nigah Queer, considerou as declarações de teor "infeliz e sem nenhum rigor científico". 

 

Filipe Carvalho

 

1 comentário

Comentar