Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Isabel Moreira: “Esperar pela próxima sessão legislativa e continuar a lutar”

“Foi uma derrota dos direitos de crianças que já existem, que o Estado, estranhamente, não persegue, mas ignora. Hoje, a Assembleia da República, decidiu manter estas crianças no limbo”, declarou Isabel Moreira, deputada socialista responsável pela proposta da co-adopção que foi esta sexta-feira chumbada no Parlamento.

Em declarações à Lusa, a deputada foi mais longe a propósito da situação actual destas famílias que não viram os seus direitos reconhecidos: “Não creio que seja suportável que, por muito mais tempo, Portugal fique rodeado, no Conselho da Europa, por Rússia, Roménia e Ucrânia”. “O próximo passo é esperar pela próxima sessão legislativa e continuar, obviamente, a lutar”, acrescentou, prometendo assim que o assunto voltara ao Parlamento.

Também em declarações à Lusa, a deputada do PSD Teresa Leal Coelho disse ter ficado "desiludida" e "desanimada" com alguns deputados do seu partido que mudaram a votação sobre a co-adopção entre a votação na generalidade, em Maio do ano passado. “Surpreendeu-me e fiquei desiludida. Fiquei pelo menos desanimada. Isto porque, como é do conhecimento de todos, a eliminação desta restrição e a proteção das crianças em causa é urgente. Mas não é só na minha perspetiva: é na perspetiva da UNICEF, do Instituto do Apoio à Criança, do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos”, apontou a deputada que se demitiu da vice-presidência da bancada do PSD depois de o seu partido ter avançado com a proposta do referendo.

A ILGA Portugal reagiu na sua página de Facebook. “Ganhou o totalitarismo, o autoritarismo e o extremismo, aliados à irresponsabilidade e à incompetência. Perderam as crianças e as famílias, que são irrelevantes para grande parte do PSD e para o CDS-PP. Mas vamos continuar do lado certo da História - e vamos ganhar”, pode ler-se.