Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Pela primeira vez no Funchal afirmou-se a visibilidade das pessoas LGBTI (com vídeos)

Funchal Pride 2017.jpg

A primeira marcha do Orgulho LGBTI do Funchal reuniu cerca de 300 pessoas.

Sob o mote “Viver na Diversidade, contra a discriminação”, a Madeira recebeu este Sábado a sua primeira iniciativa do Orgulho LGBTI+ que incluiu vários momentos: um seminário, uma manifestação pacífica, um arraial e uma after-party.

Promovido pela rede ex aequo - associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, trans, intersexo e apoiantes, em parceria com a Associação Abraço, a APF - Associação para o Planeamento da Família, a Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a Sida" e o grupo Mad le's Femme, oevento Funchal Pride pretendeu trazer à visibilidade as pessoas LGBTI e incentivar as apoiantes a lutarem também contra a homofobia, bifobia e transfobia.

“Enchemos as ruas sem medo, foi possível e aconteceu mesmo! As pessoas LGBTI+ foram visíveis e trouxemos o debate para o espaço público! Fizemos história!”, considerou Emanuel Caire, membro da organização.

 

“Enchemos as ruas sem medo, foi possível e aconteceu mesmo! As pessoas LGBTI+ foram visíveis e trouxemos o debate para o espaço público! Fizemos história!”

 

A organização frisa que, na Região Autónoma da Madeira, “a discriminação, o bullying homofóbico e transfóbico e os crimes de ódio acontecem, com relatos e denúncias reais de discriminação em ambiente escolar e em estabelecimentos de diversão noturna”.

O primeiro Funchal Pride contou com o apoio da Câmara Municipal do Funchal e do projecto de investigação INTIMATE, sediado no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. O seminário foi orientado pela investigadora Ana Cristina Santos e realizado um dia antes da marcha, fomentando o debate sobre diversidade sexual, de género e relacional.

Além das associações organizadoras, marcharam também a UMAR - União Alternativa de Mulheres e Resposta, a Opus Gay, vindos de Lisboa, e o NAIF - Núcleo da Amnistia Internacional do Funchal. O ponto de encontro foi a Praça do Município e o termo no Auditório do Jardim Municipal do Funchal.

 

 

O dezanove.pt está a acompanhar a primeira edição do #FunchalPride #orgulho2017 Fotos no Facebook do dezanove

Uma publicação partilhada por dezanove.pt (@dezanovept) a


 

Está a ser assim a primeira edição do #FunchalPride que está a decorrer esta tarde! #orgulho2017 🌈 Fotos no Facebook do dezanove

Uma publicação partilhada por dezanove.pt (@dezanovept) a

 

Muitos turistas também marcaram presença hoje no Funchal Pride. #orgulho #orgulho207 #FunchalPride #pride #Madeira #gay #LGBT 🌈

Uma publicação partilhada por dezanove.pt (@dezanovept) a

 

Por sua vez, o Arraial Pride Funchal decorreu no Auditório do Jardim Municipal, local onde discursaram representantes da rede ex aequo, Associação Abraço, APF, FPCCSida, Mad le's Femme e ainda Mariana Bettencourt, directora do Serviço de Igualdade de Género da Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais. Após os discursos houve lugar para celebração e diversão a cargo de Alexandra Barbosa e Noun, folclore com o Grupo de Folclore da Casa do Povo de Gaula, transformismo com a drag queen Alecia Fluffy, stand up comedy com Nuno Morna e música para dançar com Michael Yang, convidado do bar oficial do evento, o Living Room.

O evento que celebrou o orgulho LGBTI na Madeira contou com o apoio comercial do bar Living Room, o MadWrap, Woodys Waffles e a Casinha do Bolo do Caco. No fim ficou a promessa: para o ano há mais.

 

Álbum de fotos do Funchal Pride para consultar aqui:   https://www.facebook.com/dezanove/photos/?tab=album&album_id=1604177639604492 

 

Todas as marchas do Orgulho LGBTI deste ano para rever aqui: http://dezanove.pt/tag/%23orgulho2017

1 comentário

Comentar