Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Psicólogo Abel Matos Santos: “Estudos mostram que os homossexuais têm mais doenças e sofrem mais” (actualizada)

Psicológo Abel Matos Santos.jpg

Mal refeitos do caso Maria José Vilaça, a que se seguiu Madalena Fontoura, hoje é a vez de Abel Matos Santos voltar a abordar o tema da homossexualidade proferindo que "os homossexuais, tal como todas as pessoas, também ficam doentes e sofrem e estudos mostram que têm mais doenças e sofrem mais". Além disso, critica o actual bastonário Telmo Baptista e reclama demissão do Conselho de Jurisdição da Ordem dos Psicólogos após o caso Vilaça.

Abel Matos Santos é já conhecido pela sua postura em relação aos Direitos LGBT. Aquando da discussão das ditas “leis fracturantes”, proposta pelos signatários da petição “Defender o Futuro” apoiada por Isilda Pegado, foi este psicólogo o autor da frase: “Lei permite que uma pessoa mude de sexo as vezes que quiser. Na Primavera pode ser Maria, no Outono pode ser José”. Matos Santos esteve também no ano passado ao lado de Richard Cohen, que defendeu em Lisboa, a possibilidade de mudança de orientação sexual para quem o deseje. 

Num artigo de opinião publicado hoje no Observador, o psicólogo critica a tomada de posição célere da Ordem dos Psicólogos no caso Maria José Vilaça:

“Não pode acontecer que a Ordem emita comunicados ao Domingo, julgando em praça pública e condenando uma psicóloga, sem a ouvir, mostrando manifesta falta de respeito por todos os psicólogos.

Emitir um comunicado a dizer que se enviam as queixas para o Conselho de Jurisdição é uma coisa, outra é fazer juízos de valor sobre a pessoa em causa. Está errado! Será que o Sr. Bastonário não entende que ao agir assim está a condicionar e a exercer pressão sobre a livre actividade dos psicólogos? Que atenta contra a sua liberdade de expressão para falar, reflectir e fazer ciência!?”

Este artigo surge no seguimento do bastonário Telmo Baptista respondido publicamente ao cronista João Miguel Tavares pelo artigo “Pode um psicólogo ser católico?“

Matos Santos prossegue questionando as próprias terapias de reconversão dirigidas a homossexuais:

“O que é incompreensível é que o meu Bastonário, seguramente um homem com imensa experiência, venha misturar tudo e afirmar coisas como “existir consenso científico sobre a não aplicação de terapias de reconversão para a homossexualidade“. Pois o que subsiste é um debate enorme sobre este tema onde tudo o que existe é a falta de consenso.”

O psicólogo clínico volta a questionar Telmo Baptista:

“Não sei a que propósito veio falar da homossexualidade como doença, mas com certeza sabe que os homossexuais, tal como todas as pessoas, também ficam doentes e sofrem e estudos mostram que têm mais doenças e sofrem mais.”

Há duas semanas as declarações da Presidente dos Psicólogos Católicos Maria José Vilaça desencadearam reacções de todos os quadrantes e a Ordem dos Psicólogos decidiu abrir um inquérito.

 

Em 2013, Abel Matos Santos, escrevia um outro artigo de opinião desta vez no jornal Público: “Quando a adopção é um duplo trauma”. Na altura discutia-se ainda a aprovação da co-adopção de crianças por casais do mesmo sexo em Portugal. No referido artigo, e ao longo de 10 tópicos, o psicólogo clínico e sexologista opinou sobre aspectos contrários a esta legalização, que só veio a ocorrer plenamente em Fevereiro deste ano. Nesse artigo, Abel Matos Santos defende: “iniciativas legislativas para que se aprove a adopção por pares homossexuais são erróneas e imprudentes porque desprezam os direitos das crianças” ou escreve frases como “muita da investigação feita com pares homossexuais tem graves falhas metodológicas.” Mas Matos Santos continua:De acordo com um dos maiores psiquiatras americanos (Fitzgibbons), as relações homossexuais não fornecem o ambiente ideal para que se possam criar e educar crianças, por várias razões: primeiro, os pares homossexuais tendem a ser mais promíscuos.” E o psicólogo remata assim o seu artigo: “Privar deliberadamente uma criança da possibilidade de ter um pai e uma mãe magoa e faz mal à criança. As crianças adoptadas, em geral, vivenciam traumas de abandono precoce, na fase inicial das suas vidas e devem ser protegidas de um trauma adicional como seria esta cruel experiência social. Estarão os direitos dos homossexuais acima das necessidades e direitos da criança a uma mãe e a um pai? Quem protege estas crianças?”.

 

De salientar que, neste momento, está a decorrer a campanha para eleger a nova Direcção Nacional da Ordem dos Psicólogos. Existem três listas candidatas: Psicologia Plural, Mobilizar os Psicólogos e Elevar a Psicologia. O psicólogo, e também professor universitário da Universidade Católica Portuguesa, Abel Matos Santos integra esta última lista. As eleições são a 6 de Dezembro.

 

Notícia actualizada às 20h54 com penúltimo parágrafo.

3 comentários

Comentar