Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

A icónica entrada de Joacine e Rafael no Parlamento

73123155_1365921026914478_6827527820449677312_n.jp

Arranca esta sexta-feira a nova legislatura que, além de ser aquela com maior número de sempre de mulheres deputadas, assinala a estreia de três partidos com representação parlamentar: Livre (esquerda ecologista), Iniciativa Liberal (liberal) e Chega (extrema-direita).

Logo de manhã, o Livre partilhou fotos de Joacine Katar Moreira, acompanhada pelo assessor Rafael Esteves Martins a entrarem no Parlamento, com a curiosidade de o assessor vestir uma saia no primeiro dia da nova legislatura.

Na sua página de Facebook, Rafael Esteves Martins comentou: “Jamais esquecerei o dia em que entrei na Assembleia da República com a primeira mulher negra encabeçando uma lista de um 'partideco' - como gostamos de dizer - que ajudei a fundar. A minha agência política sempre foi um dos traços fortes da minha personalidade, mas não estava preparado para um dia tão grande assim. Não me lembro da última vez que chorei copiosamente como o fiz na noite em que a imensa Joacine Katar Moreira foi eleita e ainda não acredito que isto tudo está a acontecer. Mas há uma coisa que eu tenho certa: viemos para ficar”.

Esta legislatura conta com três mulheres afro-descendentes: Joacine Katar Moreira (Livre), Beatriz Gomes Dias (Bloco de Esquerda) e Romualda Fernandes (PS). Além disso, para a bancada bloquista entra Fabíola Cardoso, nome histórico do activismo LGBTI e cabeça de lista pelo Bloco pelo distrito de Santarém. Os deputados que já tinham declarado publicamente a sua orientação sexual Sandra Cunha (BE) e Alexandre Quintanilha (PS) renovaram os mandatos. Já Graça Fonseca foi eleita para o Parlamento mas voltará a assumir a pasta da Cultura.

 

1 comentário

Comentar