Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"A Secret Love”: o novo documentário de um amor lésbico com 65 anos

A Secret Love - Netflix.jpg

Terry Donahue e Pat Henschel conheceram-se quando Donahue tinha 22 anos e era apanhadora da All-American Girls Professional Baseball League — liga profissional de basebol feminino dos EUA, organização profissional de mulheres que inspiraria o filme “Liga de Mulheres” (1992) de Penny Marshall.

Embora Donahue fosse considerada uma pioneira e ícone feminista na década de 1940, ainda teve de esconder a sua orientação sexual ao longo de quase 65 anos. Donahue e Henschel estão juntas depois de se apaixonarem em 1947 e permaneceram inseparáveis desde então; esconderam o relacionamento das suas famílias e entes querides ao longo de mais de seis décadas.

O romance secreto de Donauhue e Henschel chegou finalmente à plataforma de streaming Netflix sob forma de documentário. “A Secret Love” (Um Amor Secreto), é produzido por Ryan Murphy Jason Blum. Assiste ao trailer de “A Secret Love” abaixo:

Durante grande parte do relacionamento de 65 anos, a família e colegas de trabalho de Donauhue e Henschel consideravam-nas simplesmente boas amigas e colegas de quarto, enquanto outres as conheciam como primas que moravam juntes. Elas finalmente decidiram “sair do armário” quando tinham 80 anos — uma jornada que é capturada em neste documentário realizado por Chris Bolan.

O documentário acompanha o casal à medida que ambas envelhecem juntas e lidam com o diagnóstico de Parkinson de Donahue, que viria a falecer o ano passado aos 93 anos de idade. "Ela não queria morrer a pensar que teria vivido uma mentira", disse Bolan à revista Time.

 

Este artigo foi escrito usando o Sistema Elu [mais informações aqui: https://dezanove.pt/sistema-elu-linguagem-neutra-em-genero-1317469] de modo a não fazer uso do “masculino genérico” para mencionar grupos com mais de um género.

 

Pedro Valente