Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Queer Lisboa 2022: sessão de abertura e de encerramento e retrospectiva Notes on Camp: o Delírio Drag do Gay Girls Riding Club

A programação de 2022 começa a ser conhecida

fogo fatuo joao pedro rodrigues.jpg

Fogo-Fátuo abre Queer Lisboa 26
 

O Queer Lisboa anuncia o seu regresso às salas de cinema para a sua vigésima sexta edição, que terá lugar como habitualmente no Cinema São Jorge e na Cinemateca Portuguesa, entre os dias 16 e 24 de Setembro, com as salas a funcionar novamente a 100% da sua capacidade. O festival anuncia agora os primeiros títulos do programa desta edição.

A abertura do festival ficará a cargo da última longa-metragem de João Pedro Rodrigues, Fogo-Fátuo, que teve a sua estreia na Quinzena dos Realizadores da passada edição do Festival de Cannes, e que desde então tem percorrido diversos festivais pelo mundo e já conheceu estreia comercial em França. Esta inusitada comédia erótica em formato musical atravessa alguns dos mitos fundadores do imaginário colectivo português, inscrevendo-lhes uma boa dose de sátira e fantasia. Nesta história, um jovem príncipe troca a corte por um quartel de bombeiros com a missão de libertar Portugal dos fogos que flagelam as suas terras, acabando por se apaixonar por um bombeiro negro que o acolhe. Temas tão díspares como as mudanças climáticas, a política republicana e a história colonial encontram neste filme ligações improváveis.

esther newton

Já para a sessão de encerramento o filme escolhido será Esther Newton Made Me Gay, da realizadora Jean Carlomusto, documentário sobre a vida de Esther Newton, importante antropóloga social, activista lésbica, e precursora dos Estudos de Género e da Teoria Queer. Responsável por trazer uma nova abordagem que desafiou as convenções de género e sexualidade presentes nos métodos antropológicos, o seu impacto fez-se sentir, tanto nas esferas ligadas ao activismo, como na academia. Em paralelo à história da sua vida, o filme oferece um olhar às vivências LGBTQI+ desde a década de 1950, acompanhando o movimento de libertação das mulheres, o feminismo lésbico, a cultura drag e a construção de uma identidade butch.

notes on camp

O festival anuncia também a retrospectiva Notes on Camp: o Delírio Drag do Gay Girls Riding Club, uma incursão pelo universo “camp” através da obra cinematográfica do coletivo que dá título ao ciclo, formado em finais dos anos 1950 por um grupo de homens que se juntava aos domingos para andar a cavalo, e que começou a organizar festas drag (as Annual Halloween Balls), que persistiram até finais da década de 1980. No início da década de 1960, o colectivo começa a produzir filmes que são o “camp” na sua essência: paródias a clássicos de cinema de Hollywood. O primeiro filme do GGRC julga-se irremediavelmente desaparecido: Suddenly, Last Sunday, de 1962, citação directa ao Suddenly, Last Summer (1959), de Joseph L. Mankiewicz, escrito a partir da seminal peça de Tennessee Williams. Seguiu-se outra curta-metragem, datada do mesmo ano, e já presente nesta retrospectiva, o Always on Sunday, uma paródia ao filme grego Never on Sunday (1960), de Jules Dassin. Em 1963, o colectivo roda What Really Happened to Baby Jane, filme apresentado apenas um par de meses após a estreia em sala de What Ever Happened to Baby Jane? (1962). Também de 1963 é o The Roman Springs on Mr. Stone, uma paródia drag ao The Roman Spring of Mrs. Stone (1961), de José Quintero. O primeiro título do GGRC que não é referência direta a nenhum filme específico surge em 1967, com The Spy on the Fly, uma sátira aos primeiros filmes da saga James Bond. Em 1972 surge a primeira e única longa-metragem do colectivo, All about Alice, alusão direta ao All about Eve (1950), de Joseph L. Mankiewicz, protagonizado por Bette Davis e Anne Baxter. Nesta retrospectiva, tanto os filmes originais como as obras que por estes foram inspiradas irão ser exibidos na Cinemateca Portuguesa.

Este ano, a equipa de programação dos Festivais Internacionais de Cinema Queer - Queer Lisboa e Queer Porto teve em consideração 1.167 filmes, 423 deles recebidos como submissões. As competições do Queer Lisboa 26 e restante programação fora de competição serão conhecidas ao longo das próximas semanas.