Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Seis grandes momentos da 26ª Gala Abraço (com vídeos)

Paula Lovely.jpg

Foi no passado dia 1 de Dezembro, Dia Internacional da Luta Contra a SIDA, que se realizou mais uma vez a Gala Abraço. O espectáculo, de apoio à Associação Abraço, conta já com 26 edições, no propósito de promoção da inclusão e solidariedade, e na luta pela igualdade e direitos humanos.

Com direcção artística de Deborah Kristall, que protagonizou também um dos momentos cómicos mais bem conseguidos da Gala, uma original e hilariante revisitação de Romeu e Julieta, com Pedro Fernandes.

A apresentação foi de Sónia Tavares e Pedro Fernandes e o júri composto por Joana Gama, Hugo Van Der Ding e Rui Maria Pêgo, a cerimónia contou com lotação completamente esgotada, no Teatro Municipal São Luiz.

A vencedora da melhor actuação da noite foi Eva Brown, a quem o público se rendeu com um medley de Beyoncé.

Na votação do júri, para a categoria de melhor imagem, venceu Laysa Star com uma camaleónica performance de “Never Enough” / “So Fabulous So Fierce”.

Mas além das premiadas, foram muitas as boas surpresas que esta noite nos revelou. Aqui ficam alguns deles, que não pudemos deixar de destacar. Aqui ficam alguns dos melhores momentos da edição de 2018:

 

  • Lenita Gentil, Maria da Fé e Marina Mota - Homenagem a Beatriz da Conceição

As fadistas Lenita Gentil, Maria da Fé e Marina Mota foram as responsáveis por um dos mais bonitos e intensos momentos, a homenagem à fadista Beatriz da Conceição (1939 – 2015). Num momento introduzido com grande emoção por Deborah Kristall, que referiu Beatriz da Conceição, além do valor artístico, como uma mulher sem preconceitos, grande aliada e amiga da comunidade LGBT+. Acompanhadas por Ângelo Freire (guitarra portuguesa), Pedro Soares (viola de fado) e Frederico Gato (viola-baixo); interpretaram temas do repertório de Beatriz da Conceição: “Fado Para Esta Noite”, “Meu Corpo”, “Voltaste” e “Lisboa Garrida”, recebendo uma das maiores ovações da noite.

 

 

  • Symone De La Dragma – Em memória (“Rosa Sangue”, Amor Electro)

Symone De La Dragma escolheu esta edição da Gala para prestar tributo à memória de diversas personalidades portuguesas de relevo para a comunidade LGBT+, quer pelo trabalho que desenvolveram, quer por se aliarem à comunidade na luta pelos direitos, quer por se revelarem muitas vezes uma inspiração. Cantou ao vivo o tema “Rosa Sangue” dos Amor Electro, com um vídeo de fundo onde dezenas de nomes foram recordados.

 

  • Fado Bicha – “Valentim”

Os Fado Bicha estrearam um novo tema, “Valentim”, um fado cravo com letra original de Inês Marto, em homenagem a Valentim de Barros, símbolo da resiliência contra a homofobia. Lila Fadista e João Caçador fizeram jus ao propósito da Gala, com este lançamento.

 

  • Flávio Gil – SIDA (Poema de Al Berto)

Outro dos nossos favoritos foi o actor Flávio Gil, que subiu a cena para dizer o poema “SIDA”, da autoria de Al Berto (1948 – 1997), um escritor disruptivo, de uma dimensão poética enorme. Flávio Gil proporcionou a sua lembrança, mais que merecida, com uma interpretação sentida e marcante, desconstruindo um travesti ao compasso do poema que versa sobre as pessoas com VIH.

            

  • Paula Lovely – Parar o VIH está nas nossas mãos

Também directamente ligado ao tema do VIH foi o momento trazido por Paula Lovely, performer, drag, e activista de relevo para a inclusão das pessoas com SIDA. Além de duas canções que interpretou, é a performance intensa de um acutilante texto sobre a libertação dos corpos seropositivos, contra a discriminação e os estigmas, que merece o nosso destaque.

 

  • Zizi Mayer – “Calçadinha à Portuguesa” (Anita Guerreiro)

Outra das grandes surpresas da noite, foi também anunciada por Deborah Kristall. Zizi Mayer, referenciada por Deborah como um dos pioneiros do travesti em Portugal, e o travesti com melhor imagem dos anos 70/80, marcou este ano o seu regresso ao palco da Gala Abraço. O tema escolhido foi “Calçadinha à Portuguesa”, de Anita Guerreiro. Não podíamos deixar de dar aqui também o nosso aplauso a um dos veteranos da arte do transformismo.

 

Vê o álbum de fotos da Gala aqui e mais vídeos aqui:

 

Inês Marto