Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Emanuel Caires: "Começar a fazer activismo na Madeira não foi fácil"

Emanuel Caires.png

Para mim, a Revolta de Stonewall é uma referência e uma inspiração. Não só este episódio em específico, mas todas as pessoas que, principalmente depois da 2.ª Guerra Mundial, reagiram às agressões de que eram alvo diariamente, e às constantes violações de direitos humanos que atingiam a comunidade LGBTI+. Vejo Stonewall como o início do fim da repressão.

 

 

António Serzedelo: 50 anos de Stonewall e o activismo em Portugal

António Serzedelo.png

50 anos da Revolta de Stonewall, 28 de Junho 1969, marcam o início das lutas Gays, hoje chamadas LGBT+ pelos seus Direitos Civis e Humanos.

 

 

Noé João: "Ainda há pessoas que são oprimidas e invisibilizadas"

banner opiniao_Noé João.png

A  Revolta de Stonewall, do dia 28 de Junho de 1969, significa para mim o estalar do verniz relativamente a toda e qualquer tipo de violência e discriminação contra a população LGBTI+, arrastando consigo, a discriminação de outras minorias naquele contexto específico. Como foi o caso de Marsha P. Jonhson, uma mulher trans negra e activista, que esteve engajada na luta dos negros/negras LGBTI+, e que confrontou o sistema do patriarcado.

 

 

Cinquenta anos de orgulho

Sara Martinho.png

“Nunca compreendes realmente alguém

até que considerares as coisas desde o seu ponto de vista...”

― Harper Lee, Não matem a cotovia 

 

Junho de 1969, Nova Iorque. 

No bairro de Greenwich Village, o dia 28 de Junho e os dias que se seguiram mudaram o percurso das pessoas LGBT[IQ+] para sempre. Bom, para as décadas que se se seguiram, porque esta coisa dos direitos e da visibilidade levam uma eternidade a conquistar, mas vão à vida em meia hora.

 

Belle Dominique sobre a nova geração: “São como uns burros”

Belle Dominique.JPG

O programa de informação 21ª Hora da TVI24 analisou a arte do transformismo, na sequência da reportagem “Senhor Traveca” transmitida minutos antes no “Jornal das 8” da TVI. A reportagem, da autoria de Emanuel Monteiro, mostrou a história de três pessoas que escolheram uma profissão que quebra os papéis de género: Bruno Cunha, José Coelho e Ricardo Magalhães. Em estúdio os convidados analisaram o tema da reportagem. As declarações de Belle Dominique foram a que causaram mais espanto.

Primeiro-ministro Justin Trudeau fez história por ir ao Pride de Toronto (com vídeos)

Justin Trudeau Toronto Pride2.jpg

Justin Trudeau, primeiro-ministro canadiano, fez história ao ir ao Pride de Toronto, que decorreu ontem, Domingo, 3 de Julho. Foi o primeiro chefe de governo a marcar presença num Pride no Canadá.

O arranque do Orgulho LGBT nos EUA e Canadá (com vídeo)

Justin Trudeau.jpg

Do outro lado do Atlântico, o presidente Barack Obama voltou a proclamar, pela última vez no seu mandato, o mês de Junho como o Mês do Orgulho LGBT. A tradição remonta ao presidente Bill Clinton, corria o ano 2000, sendo que na altura a designação era Mês do Orgulho Gay e Lésbico, mas tal aconteceu apenas uma vez. Obama retomou o gesto em 2009, tendo-o repetido todos os anos até agora. Foram oito vezes e já com a denominação “Mês do Orgulho Lésbico, Gay, Bissexual e Transgénero”. 

 

 

A minha perspectiva do Orgulho LGBT

Pride de Londres.jpg

Há muito tempo que não escrevo nenhum artigo, mas hoje tenho dois motivos para o fazer. Primeiro porque acabei de participar no Pride de Londres e segundo porque acabei de ler o artigo “O armário” de José António Saraiva. Vou dar prioridade à questão que mais me assola neste momento e é a frase do jornal sensacionalista onde José António Saraiva escreve o seguinte: “Orgulho tem-se naquilo que foi obtido com o nosso esforço”.

 

Maioria não foi às marchas do Orgulho LGBT

Dois em cada três participantes do inquérito levado a cabo pelo dezanove.pt respondeu que no último ano não participou em nenhuma marcha do Orgulho LGBT. Assim, 72 por cento dos leitores refere que não participou em nenhuma marcha ao passo que apenas 28 por cento responderam afirmativamente. Responderam 438 pessoas.