Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Eu tenho HPV e o meu namorado VIH. O que é que podemos e o que é que não podemos fazer no sexo?

preservativo HPV HIV.jpg

Rúbrica #AskOurNurse. Mais uma semana, mais questões respondidas pelo nosso Enfermeiro de serviço. 

Questões

Eu tenho HPV (diagnosticado em Fevereiro, já tratei e também estou a tomar as vacinas) e o meu namorado HIV (diagnosticado há 3 anos mas ainda não está em medicação; começará depois do Natal). Estamos a começar uma relação, ainda não tivemos relações sexuais, e pomo-nos as questões: será que nos pomos em risco mutuamente e de que maneira? O que é que podemos e o que é que não podemos fazer no sexo? Será que até com um simples beijo poderei passar-lhe HPV?

Outra questão: tendo-lhe sido diagnosticado HIV há já 3 anos qual é a justificação médica para ainda não ter iniciado a medicação? Sempre pensei que a medicação fosse iniciada impreterível e imediatamente após o diagnóstico.

E a questão final: existe realmente alguma relação entre algumas manchas na pele e a seropositividade? Manchas parecidas com pequenas nódoas-negras muito desvanecidas.

 

Obrigado.

(leitor prefere não ser identificado)

 

Enfermeiro Carlos Gustavo Martins.jpg

Respostas:

Olá leitor,

Antes de mais permita-me felicitá-lo por englobar nas suas perguntas não apenas você, mas o casal. A vida a dois é efectivamente tudo isto e muito mais... e alguns barcos quando navegados em conjunto são bem mais fáceis de levar até ao seu destino.

Vamos por partes então...

"Será que até com um simples beijo poderei passar-lhe HPV?"

Quanto à questão do HPV, remeto-o para o meu artigo acerca disso mesmo. Penso que poderá esclarecer as suas dúvidas aí. Mas como sempre, se estas persistirem esteja à vontade para me questionar novamente que tentarei da melhor forma esclarecê-lo. Aqui fica pois o link: http://dezanove.pt/quando-a-amora-e-mais-do-que-um-fruto-831360. Outro artigo adicional aqui: http://dezanove.pt/550124.html

"O que é que podemos e o que é que não podemos fazer no sexo?"

Tudo. Desde que com protecção todas as práticas podem e devem ser experimentadas desde que haja prazer e consentimento mútuo. 

"...será que nos pomos em risco mutuamente e de que maneira?"

Questão interessante. Por estranho que possa parecer, casais onde ambos sabem o estado de saúde do casal, normalmente, correm menos risco de se colocarem em risco (perdoe-me o pleonasmo). Isto porque ao saberem o seu estado de saúde, não só têm mais cuidados consigo, como com o parceiro... e, por norma, ao mínimo sinal de alerta procuram ajuda médica e tratam precocemente algum problema que esteja ainda no início. 

"...tendo-lhe sido diagnosticado HIV há já 3 anos qual é a justificação médica para ainda não ter iniciado a medicação?"

A resposta mais simples pode parecer a menos satisfatória, mas acredite leitor, que é efectivamente a melhor: Porque ainda não foi necessário. O VIH, tal como qualquer outra infecção, tem o seu curso e o seu tempo até merecer tratamento. Este tempo pode ser menor ou maior consoante o vírus ou bactéria a que nos estejamos a referir. No caso em específico, o tratamento com antiretrovirais depende de variados factores, todos eles a serem considerados em conjunto. O subtipo do vírus, a evolução deste, o seu estado imunitário, a quantidade de vírus existentes em circulação (chamada de carga viral), a existência ou não de infecções paralelas e, por último, mas não menos importante, o avanço da terapêutica. Como pode reparar é uma decisão com muitas variáveis. Existem indicações europeias e internacionais que orientam a prática clínica de forma a obter os melhores resultados. E são estas orientações que levam cada médico a tomar a decisão certa com cada paciente.

"...existe realmente alguma relação entre algumas manchas na pele e a seropositividade? Manchas parecidas com pequenas nódoas-negras muito desvanecidas."

A esta pergunta só poderei responder duma forma: consulte o seu médico ou enfermeiro de família. E explico-lhe o porquê. As manchas podem ser sinal de muitas coisas. Mas tal como no início da medicação, as variáveis são muitas. E dou exemplo de algumas: falamos de manchas em si ou no seu parceiro? Essas manchas têm relevo? Desaparecem quando pressionadas? Dão comichão? Teve mais algum sintoma acessório? (sintoma que tenha surgido como, por exemplo, febre). Tal como lhe tinha dito anteriormente, um casal informado por norma é um casal defendido. Não há razão para não consultarem o vosso médico ou enfermeiro de família e exporem o problema. Acredito que vão encontrar profissionais sem complexos ou  juízos de valor, mas acima de tudo com muita vontade de ajudar.

 

Enfº Carlos Gustavo Martins

Licenciado em Enfermagem exerce funções no Serviço de Urgência de um Hospital Central. É enfermeiro de viatura médica de emergência e reanimação e do helicóptero de emergência de Lisboa. Colabora com o dezanove.pt desde Março de 2011.

 

 

 

Durante algumas semanas estamos disponíveis para receber as tuas questões e dúvidas. A tua identidade será, se assim preferires, salvaguardada. Sempre que existirem, as perguntas seleccionadas serão respondidas no espaço de crónica do nosso Enfermeiro aos Domingos aqui no dezanove.pt.

Envia a tua pergunta, dúvida ou tema para dezanovept@gmail.com

Queremos ajudar a esclarecer sobre questões de saúde. Ajuda-nos também a ajudar!

 

6 comentários

Comentar