Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Nuno da Câmara Pereira: “90% dos homossexuais só o são por moda” (com vídeo)

Nuno da Câmara Pereira.jpg

O fadista Nuno da Câmara Pereira esteve esta quarta-feira no programa “Manhã CM” (CMTV) e fez diversas declarações polémicas.

No programa conduzido por Nuno Graciano e Maya o fadista começou por afirmar que a homossexualidade é uma “opção sexual” dando a entender que os homossexuais escolhem essa situação.

Quando questionado por Nuno Graciano se considera a homossexualidade genética o fadista retorquiu que não era genético se tiver “ uma voz grossa, tens hormonas masculinas” defendeu.

Mesmo depois de Maya ter comentado qual seria a terminologia correcta (orientação sexual), o conhecido fadista e monárquico prosseguiu a sua teoria sobre a homossexualidade, considerando que “80 a 90 por cento das opções, são mesmo opções. É moda. É dificuldade em comunicar, em comunicarmos uns com os outros.”

E considera que esta é “também é uma questão de separação. Hoje em dia mais do que nunca há uma separação enorme entre os sexos na harmonia […] Há muito menos amor hoje em dia do que havia há 40 anos” justifica.

Nuno da Câmara Pereira concluiu o seu raciocínio afirmando que a justificação recai no “exagero da sociedade na procura do sexo. De tal forma que caminham para o caminho mais fácil. Para o sítio mais fácil. Porque a vida é toda feita de caminhos. Então identificamo-nos mais com aquilo que está mais próximo de nós e com quem nos identificamos, e cuja imagem é igual à nossa. No nosso narcisismo, no nosso egocentrismo.”

Recorde-se que, em 2007, o também ex-deputado do PPM propôs o arquivamento da instituição do Dia Mundial de Luta Contra a Homofobia sustentando que se estaria a criar uma discriminação. 

 Carlos Maia

Paulo Monteiro

5 comentários

Comentar