Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Cinco coming outs e políticos de sete partidos distinguidos nos Prémios Arco-Íris

parlamento.jpg

São já conhecidos os vencedores dos Prémios Arco-Íris da ILGA Portugal. Na lista de distinguidos estão a RTP, APAV e políticos representantes de todos os partidos com assento parlamentar. A entrega dos troféus decorre a 12 de Janeiro, em Lisboa.

Assim, a RTP será premiada porque, refere a ILGA, “tem dado provas de que é possível resistir e dar espaço e visibilidade à diversidade, contribuindo para quebrar silêncios e desconstruir preconceitos”. A APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vítima) destaca-se pelo movimento #respectbattles, que conta com a participação de figuras do hip-hop, entidades públicas e ONG.

O atleta Célio Dias, a deputada do Bloco de Esquerda Sandra Cunha, o vice-presidente do CDS Adolfo Mesquita Nunes, a responsável pela programação de televisão Gabriela Sobral e a actriz Inês Herédia são também distinguidos por terem assumido publicamente a sua orientação sexual.

Os partidos PS, BE, PCP, PEV, PAN e a deputada do PSD Teresa Leal Coelho serão premiados pelo facto de o Parlamento ter tornado o “reconhecimento legal da identidade de género um processo meramente administrativo, acabando com a vergonha de décadas de violações graves aos Direitos Humanos das pessoas trans nos tribunais do nosso país”. Esta distinção é responsabilidade da associação rede ex aequo.

Na lista de vencedores surge também o documentário "Até que o Porno nos Separe", de Jorge Pelicano, que reflecte “sobre a complexidade das relações familiares quando se fala em questões de orientação sexual e expressão de género”. O troféu para o documentário é da responsabilidade da AMPLOS. Carolina Reis, jornalista do Expresso, também é uma das premiadas por abordar de “forma responsável os muitos desafios que ainda se colocam à igualdade de género, e em particular aos direitos das mulheres e das pessoas LGBTI”.