Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Bloco leva adopção por casais homossexuais ao Parlamento

O Bloco de Esquerda vai levar a discussão no Parlamento a adopção por casais homossexuais-. Segundo o jornal I, a proposta deverá decorrer na actual sessão legislativa. "As coisas não se mudam por metade, têm de mudar no seu todo. A lei do casamento homossexual ficou amputada de um aspecto essencial que não permite a igualdade entre todas as pessoas e essa igualdade tem de ser resposta", justificou o líder parlamentar bloquista, Luís Fazenda.

Aquando da discussão do casamento entre pessoas do mesmo sexo, tanto o Bloco como Os Verdes estiveram contra a discriminação que foi imposta aos casais homossexuais de adoptarem. Na actual legislatura poderá haver mudanças tanto no sentido de voto tanto no PS como no PSD, já que os seus novos líderes mostraram-se favoráveis a uma nova discussão do tema.

À esquerda, António José Seguro, do PS, referia à Visão que "do ponto de vista dos afectos não encontro razões que a impeçam. Há, no entanto outros aspectos a ter em conta que privilegiem a qualidade da adopção, onde os interesses das crianças venham em primeiro lugar. Esta é uma questão que carece de amadurecimento, na sociedade portuguesa. Em Portugal, há situações concretas, e do conhecimento público, que nos permitem realizar um debate sério, sem preconceitos, sem discriminações, inclusivo e positivo". Um comentário que poderá significar alguma abertura do PS à discussão. Mais explícito foi Pedro Passos Coelho que, quando era líder da oposição, considerou, numa entrevista ao jornal i, que "a homossexualidade ou a heterossexualidade não tem de ser um critério para a adopção. Quando avaliamos as condições em que determinada pessoa deve poder adoptar, o critério não é saber qual é a sua orientação sexual. Deve ser saber se tem ou não tem condições de estabilidade emocional, maturidade, autonomia financeira".