Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

E Se Fosse Comigo?

magina.png


Há alguns meses (já se falava da nova temporada do programa apresentado por Conceição Lino), fui contactado pela produção do “E Se Fosse Consigo?”. Procuravam casais do mesmo sexo com crianças a cargo que aceitassem dar uma entrevista à SIC. Hoje, finalmente, vi o episódio dedicado ao tema “Homossexualidade e parentalidade”, que me deixou com vontade de chorar, mas chorar de alegria!

Contudo, basta uma espreitadela rápida na página de Facebook do programa para ler frases de autêntico “escárnio e maldizer”, tais como:
- «É difícil ser criança, adolescente e jovem nos dias de hoje quando estão a formar a personalidade com estas confusões todas.»
- «Claro que existe preconceito, não é normal nem desejável, por que motivo deve ser aceite?»
- «Muito modernismo leva a subversão de valores e inevitavelmente ao caos!»
- «Estamos a acabar com este mundo com esta de tudo se pode. Não, nem tudo se pode.»
- «Então, quem é o pai e quem é a mãe? É uma pergunta simples!!!»
- «Já alguém viu dois galos a criar uma criança?»
- «Casal é homem e mulher. Isto sim é certo!»

Outros comentários há que são um pouco mais, digamos, “neutros”:
- «Há pessoas que não estão preparadas para esta nova realidade por causa da educação e/ou outras situações… nem todos temos a mesma abertura de espírito...»
- «Uma mãe solteira, de um macho hétero, que soube fazer mas não soube assumir, quem é o pai e quem é a mãe? Ah pois, está claro, a “sociedade” aceita melhor que a criança ande por aí aos empurrões enquanto a desgraçada se desdobra em dois...»
- «Tema muito complicado. É difícil abordá-lo de ânimo leve. Muito mais difícil porque envolve crianças.»

Por bem, também se vêem intervenções “optimistas” e positivas nesta rede social:
- «É pena ainda neste século haver pessoas que acham que o facto de os progenitores serem "homo" é algo que pode influenciar a decisão da criança, quando se deve é ver a felicidade da criança que precisa de amor, carinho e afecto.»
- «Vivemos no século XXI e a vida é curta demais. Temos é de nos unir e fazer o bem, só estamos de passagem!»
- «Cada ser tem o seu sentir! Cada ser escolhe a sua própria vida! Julgar? Não há para julgar. Há apenas para perguntar: É feliz?»
- «Muitos se esquecem que estes casais adoptam as crianças que os pais heterossexuais não querem. Isso sim é muito triste, serem abandonados pelos pais biológicos.»
- «Não vejo mal nenhum em um casal do mesmo sexo ter um filho. Conheço um caso e tratam melhor o menino que certos pais… Temos que mudar mentalidade…»
- «Com tanta criança necessitada de afecto é um desperdício andarmos com esta porcaria de preconceitos.»
- «Não tem de gostar... mas sim de respeitar!!!»

Infelizmente, não estou certo de que as reacções apresentadas no programa correspondam à realidade do nosso País. Parece-me que, numa determinada geração, há ainda muitos medos e muitos preconceitos profundamente enraizados.
Penso mesmo que o argumento mais comum é o eterno “uma criança precisa de um pai e de uma mãe”, porque a maioria de nós assim viveu. Esse argumento é fácil de “arrumar” com uma palavra: Amor.
Também, muito frequente, é ouvirmos ou lermos que “a sociedade não está preparada”… Mas a preparação faz-se… fazendo, ou seja, com a realidade do dia-a-dia, tal como as famílias que aceitaram dar a cara perante milhares/milhões de Portugueses!
Por outro lado, acho perigoso cair no erro de dizer que há crianças sem família porque casais de pessoas de sexo diferente as abandonaram. Não é esse o ponto, e existe muito mais para além e por trás disso.
Com muito ainda por dizer, espero apenas que o programa de hoje tenha chegado ao coração ou ao cérebro de alguém e que as famílias que aqui vimos sirvam de inspiração para muita gente!


Bruno Magina, escritor