Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Quebrar o Silêncio: Sensibilizar sobre abuso sexual de homens e rapazes

 

angelo.jpg


A desinformação sobre a violência e abuso sexual é algo que se observa no público em geral, mas também em grupos específicos, nomeadamente junto dos próprios homens sobreviventes/vítimas de abuso sexual.

Este foi o ponto de partida da intervenção de Ângelo Fernandes, presidente da associação Quebrar o Silêncio, que participou no evento “dezanove ao vivo”, que decorreu na passada sexta-feira, 8 de Dezembro, no Centro LGBT. A sua participação teve como foco um conjunto de informações e estatísticas, apresentadas como pressupostos base, para enquadrar a realidade desta forma de violência, começando por referir que um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos. Também foi apontado que só 16 por cento desses homens reconhece ter sido vítima, que apenas 3,9 por cento denunciam o seu caso e que em média um homem sobrevivente demora cerca de 26 anos até partilhar com alguém a sua história de abuso.
Para explicar alguns dos motivos que contribuem para este silêncio, Ângelo Fernandes abordou os valores tradicionais da masculinidade, salientando vários estereótipos ou preconceitos, tais como a impossibilidade de um homem ser vítima, não poder chorar ou falar sobre os seus sentimentos. Casando essas matérias com a temática LGBTI, foi referido que existe ainda a ideia de que os agressores são todos homossexuais ou o mito de que a violência e abuso sexual acontece somente entre gays. Ideias erradas que podem representar obstáculos para os sobreviventes procurarem apoio ao acederem aos serviços de apoio da associação.
Para finalizar, Ângelo Fernandes focou alguns pontos como caminho para soluções, nomeadamente sensibilizar, educar, informar e dialogar. Havendo espaços e momentos privilegiados para fazê-lo, o presidente da Quebrar o Silêncio terminou reforçando que também é preciso reconhecer com quem dialogamos e compreender se há uma verdadeira disponibilidade para o diálogo.

 

Fotoreportagem do "dezanove ao vivo aqui. Fotos de Luís Campos da Costa