Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Grindr e vídeos caseiros: Quando conteúdo íntimo e pessoal se torna transmissível

"As tuas fotos e o teu vídeo estão na internet." Devido a vários casos de famosos agora tornados públicos, o assunto voltou à baila e está a relembrar os perigos das webcams e da partilha de informação de conteúdo sexual explícito.

 

No início do ano, Diogo Pombo, árbitro e modelo brasileiro, viu um vídeo ser alvo de divulgação pública. As imagens mostram o jovem a masturbar-se. "De facto, sou eu! Não tem como negar. Quem nunca errou que atire a primeira pedra. Fui vítima de um crime. Invadiram a minha privacidade. Isso aconteceu há mais de um ano num momento com uma ex-namorada", declarou. Diogo Pombo fez saber que já accionou os meios legais para proteger a sua imagem, no entanto, vários sites continuam a disponibilizar o vídeo.

 

Na semana passada, dois vídeos pessoais de concorrentes do programa de televisão brasileiro Big Brother Brasil (BBB12) foram tornados públicos. Nos vídeos, com conteúdos explícitos, os concorrentes Jonas Sulzbach (na foto) e Yuri Fernandes exibem-se naquilo, que julgariam, à data, ser um vídeo de âmbito restrito. Os vídeos continuam a ser amplamente divulgados na internet.

 

Embora o YouTube restrinja vídeos de conteúdo sexualmente explícito, os piratas informáticos alojam os vídeos noutro tipo de plataformas, como o 4 Shared ou o Boyztube.com, que suportam qualquer tipo de conteúdos independentemente do conteúdo. Jonas Sulzbach, um dos concorrentes do programa BBB12, que começou este mês, já foi Mister Brasil Mundo em 2010 e apareceu nu em vários ensaios fotográficos. Yuri Fernandes, também concorrente do mesmo programa, aparece no vídeo a masturbar-se.

 

Na quinta-feira passada, foi a vez do ministro do Interior da Tunísia, Ali Larayedh, ser envolvido num escândalo similar. Um vídeo de 45 minutos, datado de 1991, foi publicado no YouTube. No filme, entretanto retirado, podem ver-se dois homens a praticar sexo. Num dos planos aproximados, uma das faces parece ser a de Ali Larayedh. Os defensores do ministro afirmam que o vídeo é uma montagem e foi divulgado com intenções políticas para descredibilizar Larayedh.

 

Este Sábado, soube-se que os conteúdos da aplicação para localização e conversação entre homens Grindr foi alvo de pirataria tornando públicas num site online as imagens e os dados de vários utilizadores australianos. A aplicação está presente em 192 países e conta com milhões de utilizadores que a utilizam através de smartphones.

Joel Simkhai, responsável pela aplicação declarou que "apenas um reduzido número de utilizadores australianos foi afectado pelo hacker, mas é necessário tomar medidas urgentes que se garanta a segurança". Por outro lado, o fundador garantiu que os utilizadores podem estar tranquilos porque "o Grindr não memoriza históricos de conversação, números de cartão de crédito ou moradas e, por isso, essa informação nunca esteve em perigo."

 

Em Portugal, José Castelo Branco, negou durante vários meses estar envolvido no caso das orgias com um casal de Famalicão. Os vídeos, no entanto, também foram amplamente divulgados nos média e nas redes sociais. Aquando do depoimento no tribunal, a propósito do caso das orgias violentas, o artista comentou: "Estranhei quando me diziam que era mesmo eu no vídeo, mas não me lembrava de nada e então resolvi fazer uma regressão para perceber tudo o que se tinha passado", acrescentando: "Cheguei à conclusão de que me deram, sem eu saber, a droga do amor", revelou o artista à revista "Caras", sublinhando que quando se toma esse produto químico [ecstasy], a pessoa "fica sem consciência de nada".

 

Já segues o dezanove no Facebook?

14 comentários

Comentar