Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Cientistas que defendem Direitos LGBT alvo de repressão na Rússia

Os defensores de direitos humanos apelam aos protestos contra o despedimento de cientistas que apoiam os cidadãos LGBT.

 

A rede russa LGBT apela para que se apoie a campanha contra a direcção da Faculdade Federal Árctica (NARFU) que, segundo activistas gays, tem expulso os professores membros do sindicato “Solidariedade Universitária” pela sua actividade pública. “Escondendo-se atrás das exposições da procuradoria, a administração da universidade despediu ilegalmente o Professor Oleg Kluenkov, e entrega as cartas de repreensão a alguns professores, incluindo a Professora Olga Pospelova. A reitoria foi clara no seu objectivo de pressionar a Professora Tatiana Vinnichenko a fechar a organização LGBT chamada “Racurs”, da qual é líder, caso contrário a continuariam a amedontrar e reprimir os professores…” – está escrito na página oficial da organização.

“A atenção da administração da NARFU aos professores e à sua actividade não é por acaso. Escondendo-se sob a “verificação da actividade das organizações sem fins lucrativos”, a procuradoria da cidade de Arhangelsk já enviou à universidade algumas exposições fazendo uma chamada à responsabilidade disciplinar dos professores “incómodos”. Trata-se de uma intervenção ilegal por parte da procuradoria e das reitorias nas relações laborais, mas a universidade avisa que tal pode começar a tornar-se uma prática comum nos estabelecimentos do ensino…” – consideram os activistas gays.

Neste momento as repreensões por escrito ilegais e os despedimentos estão em tribunal. Como resposta, a administração da Universidade aumentou a pressão e avizinha mais despedimentos de professores da NORFU.

“Este tratamento de funcionários da escola superior não é admissível nos dias de hoje! Apelamos a todos que apoiem a campanha de protesto e pedimos que enviem cartas de protesto ao reitor da NORFU exigindo que este cumpra a legislação e pare com as perseguições aos professores pela sua actividade pública e o apoio aberto à comunidade LGBT…”, alertam os activistas LGBT russos.

 

Alexandre  Iourtchenko