Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Caitlyn Jenner: "Assuntos trans não são sexualidade, mas sim identidade” (com vídeos)

C Jenner Web Summit.jpg

Caitlyn Jenner esteve presente na Web Summit de Lisboa. Na primeira palestra falou sobre a deterioração do conceito dos Jogos Olímpicos. Mas foi a segunda palestra, em que abordou a sua identidade de género, que captou as atenções da imprensa e do público e que encheu metade do agora renomeado pavilhão Altice Arena. Seguiu-se uma sessão de perguntas e respostas onde não faltou a pergunta: “Por que votou em Trump?

 

No Altice Arena, e ao longo de 20 minutos, Caitlyn explicou a sua história de vida enquanto mulher trans na palestra “O que define o género”

Admitiu não ser porta-voz das pessoas trans, mas apenas dela própria. Começou por falar da farsa que foi obrigada a viver para ocultar a sua verdadeira identidade: "Cheguei a usar soutien e roupa interior feminina para me sentir mais segura quando antes dava palestras idênticas a esta ainda sob o nome de Bruce Jenner", considerado um dos maiores atletas olímpicos do mundo. Depois questionou as mulheres presentes com uma “simples” pergunta: “Quando é que descobriram que eram mulheres?”. A uma pergunta de resposta tão óbvia para as mulheres biológicas (ou cis), que a sabem desde sempre, torna-se num assunto que não sai da cabeça das mulheres trans. Foi esta a dificuldade que Jenner partilhou com o público. Foram períodos difíceis, reconheceu, que passou seis anos isolada em casa. “Comecei por o revelar a um dos meus filhos e depois gradualmente à minha família. Nunca conheci uma outra mulher trans” e, por isso, quis com a sua história somar a sua voz a esta luta pela visibilidade das mulheres trans, explicou. 

“Nos EUA, uma mulher trans é assassinada a cada duas semanas. Há muitas pessoas trans sem-abrigo. Quarenta e um por cento dos jovens trans tentam suicidar-se antes dos 21 anos. Esta taxa é nove vezes maior do que na população em geral. Somos afectados por muitos casos de VIH”, referiu. “Estou a fazer o que está ao meu alcance para arrecadar dinheiro para organizações que lidam com pessoas trans marginalizadas".

Depois de o pensar fazer aos 40 anos de idade, Caitlyn acabou por fazer a transição apenas em 2015 num anúncio que se fez as páginas de todos os jornais mundiais.

 

Quase no final da palestra Jenner partilhou as suas quatro chaves para o sucesso quando era atleta e perguntou rectoricamente se as mesmas se aplicariam agora aos 68 anos de idade: “Gamble, Cheat, Lie and Steal”. E explicou, para choque de muitos que se ficaram pela primeira acepção destes termos, o que pretendia dizer:  

“Joguem e façam a melhor aposta na vossa vida. Corram riscos. Enganem os que vos querem mal e rodeiem-se das pessoas que vos animam e puxam para cima. Deitem-se  nos braços de quem vos ama e nunca tomem esse amor por garantido. Por último, roubem cada momento de felicidade.”

 

 

Já na sessão de perguntas e respostas com o público (vídeo na íntegra abaixo) entre muitos elogios surgiu a pergunta: “De mulher trans, para mulher trans: Por que votou em Trump?”

Jenner começou por admitir que sempre foi conservadora e não votaria nos democratas (partido de Hillary Clinton). “Ela não era uma boa candidata”, atirou. Caitlyn Jenner mencionou ligeiramente os revezes das políticas do presidente dos EUA no que respeita à revogação das leis que permitiam o acesso dos estudantes trans às casas de banho da sua preferência políticas e do impedimento dos militares trans de servirem nas forças armadas. Embora se mostre decepcionada, “Achei que ele iria fazer melhor”, e reconheça os retrocessos políticos contra a população trans, Caitlyn Jenner considerou prematuro dizer se voltaria a votar nele daqui a três anos. 

 

 

Durante a manhã, Jenner defendeu ainda o COI (Comité Olímpico Internacional) por ter agora guidelines avançadas para atletas cujo género não se encontra definido e possam assim competir sem exclusão.

Ligar comunidade tecnológica e as indústrias é a premissa da Web Summit. Cerca de 59 mil participantes, 1200 oradores e 2600 jornalistas participaram na Web Summit entre 6 e 9 de Novembro em Lisboa. Em 2018 a maior conferência de tecnologia da Europa realizar-se-á de 5 a 8 de Novembro.