Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Publicidade

Bloco de Esquerda quer presidente do IPST no Parlamento para explicar discriminação nas dádivas de sangue

IPST.jpg

A Comissão Parlamentar de Saúde vai debater esta quarta-feira de manhã um requerimento do Bloco de Esquerda solicitando a audição do presidente do Conselho Directivo do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST). O partido quer saber por que continua a existir discriminação de homens que fazem sexo com homens nas dádivas de sangue.

Recorde-se que em 2010, a Assembleia da República (AR) aprovou um projecto do Bloco de Esquerda (BE), onde se “recomenda ao Governo a adopção de medidas que visem combater a actual discriminação dos homossexuais e bissexuais nos serviços de recolha de sangue”. O projecto foi aprovado sem qualquer voto contra.

Esta resolução era constituída por duas deliberações, umas das quais recomendava ao Governo a “reformulação de todos os questionários que contenham enunciados homofóbicos, designadamente no que concerne a questões relativas à prática de relações sexuais entre homens”. Esta medida foi efectivada, uma vez que foram dadas orientações para que a pergunta “sendo homem, teve contacto sexual com outro homem?” fosse retirada do questionário entregue ao candidato a dador de sangue. A segunda deliberação desta resolução estabelecia que era da responsabilidade do Governo a “elaboração e divulgação de um documento normativo da responsabilidade exclusiva do próprio Ministério da Saúde que proíba expressamente a discriminação dos(as) dadores(as) de sangue com base na sua orientação sexual e esclareça que os critérios de suspensão de dadores se baseiam na existência de comportamentos de risco e não na existência de grupos de risco”. Os anos passaram e este documento ainda não foi produzido. “Não é compreensível nem aceitável que o IPST continue a discriminar homens que têm sexo com homens nas dádivas de sangue”, refere o Bloco de Esquerda em comunicado.