Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

Em Portugal e no Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Campanha de crowfunding: O dezanove.pt precisa de ti!

crowdfunding dezanove

Chegou Junho, o mês do Orgulho LGBTI+! Desde há 14 anos acompanhamos a actualidade LGBTI+ ao longo de todos os dias do ano, mas em especial durante este mês o nosso orgulho está mais presente e geograficamente disseminado em todo o país!
Neste mês saímos às ruas e queremos estar ainda mais presentes nas inúmeras actividades que celebram com orgulho a nossa orientação sexual, a nossa identidade e a nossa expressão de género, sem nunca esquecer quem lutou antes de nós e continua a estar ao nosso lado!
 

"Laws on us": o novo relatório global da ILGA World mapeia os retrocessos e os progressos nos Direitos Humanos LGBTI

foto: https://depositphotos.com/pt/

Os retrocessos estão a prejudicar o progresso alcançado em direcção à igualdade de direitos para as pessoas LGBTI, afirmou hoje a ILGA World, à medida que as vidas de lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexuais continuam a estar no centro dos debates jurídicos em todo o mundo.
 

 

Portugal: Tentativas de intimidação e ódio à causa LGBTI+ intensificam-se no Mês do Orgulho

habeas corpus.jpg

Deixamos o alerta às comissões de organização das próximas marchas do Orgulho: membros da associação de extrema-direita “Habeas Corpus” têm usado as redes sociais para deixar mensagens intimidatórias e ameaças de confrontação nos eventos a ter lugar em Junho. Apesar de a promoção do medo ser uma das artimanhas a que estes grupos mais recorrem, acreditamos que não se deve incorrer em riscos desnecessários.

 

 

As melhores cidades para a comunidade LGBTQ

Love is never wrong

Pride Flags©daniel james_Unsplash

O Pride Month chega novamente ao mundo no próximo mês de Junho, quando pessoas de todas as nações celebram ser LGBTQ com orgulho. A sigla LGBTQIA, às vezes com a adição de outras letras, vem do inglês e significa "Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender, Queer, Intersex e Asexual". O termo surgiu originalmente de um movimento colectivo para combater a discriminação contra a orientação sexual e a identidade de género. Esta questão continua até hoje em alguns países onde a orientação sexual pelo mesmo sexo ainda é, por vezes, discriminada.

 

Neste mês do orgulho a nossa maior desobediência civil é estar vivo

Bia Ferreira.jpeg

Bia Ferreira, cantora negra e lésbica usa a palavra como tecnologia do desconforto. A luta contra o racismo e a lgbtfobia é feita pela palavra e pela participação do público. O concerto nos Jardins de Verão da Fundação Calouste Gulbenkian terminou com o canto colectivo que serviu de aviso para aqueles que negam os impactos do racismo e da homolesbotransfobia na vida concreta das pessoas: “A conta vai chegar!!!

 

 

Porque não precisamos de um dia do orgulho Hetero

Miguel Partidário

A extravagância colorida das marchas populares, das roupas às vestes, das canções à dança; ou a euforia das celebrações do título do Benfica, do Sporting ou do Porto entre os cachecóis, os cânticos, todo o aparato do palco e os milhares de pessoas que se aglomeram para gritar tão intensamente, o que têm em comum com uma manifestação do Orgulho LGBTQIA+?

 

Mês do Orgulho

Miguel Rodeia

A Revolta de Stonewall foi uma série de manifestações violentas e espontâneas por membros da então designada Comunidade Gay contra uma invasão, a 28 de Junho de 1969, do bar Stonewall Inn pela polícia de Nova Iorque. Essas manifestações são consideradas como o acontecimento está na génese da criação de movimentos actuais de defesa, apoio e rendivicação dos direitos actuais da Comunidade LGBTQI+.

 

Orgulho em ser Fujitsu

ricardo falcato

Comecei a trabalhar na Fujitsu Portugal em 2013, um pouco por acaso e nunca pensando fazer carreira na área do IT. A minha formação é em literatura e história, havia trabalhado sempre em livrarias, sobretudo de bairro, com poucos colegas; iniciar a minha actividade profissional numa multinacional pareceu-me assustador! Como iria falar três línguas diferentes e dar apoio a empresas a nível informático, se o que sabia pouco mais era do que fazer um ou outro documento em Word, um ou outro Powerpoint?

 

 

Este Pride (e não só) apoia marcas LGBT

7 lojas para apoiares este Pride (e sempre)

pexels-rodnae-productions-10503437.jpg

Junho é o mês do orgulho e este ano, como em anos anteriores, assistimos a uma corrida das marcas ao arco-íris. Junho já lá vai, mas esta adopção temporária de símbolos, linguagem ou imagens ligadas à comunidade LGBT sem real compromisso pela luta pelos direitos das pessoas LGBT, por vezes denominada de rainbow-washing, é todos os anos fortemente criticada enquanto apropriação da simbologia queer apenas para obtenção de lucros.

 

 

A luta queer foi, é e sempre será uma luta política

luta queer

É agora. Pleno mês de Junho, o mês do orgulho LGBTQIA+. A luta pelos direitos (conquistados e por conquistar) requer estar mais presente do que nunca, porque nada nos garante que o que até agora conquistámos não nos é retirado.

 

 

Junho relembra a força dos activismos LGBTI+

21783618_RgO2Z.png

Junho é, como bem sabemos, o mês do orgulho LGBTI+. Um mês em que revisitamos aquele que fora o primeiro momento político de rua, da comunidade LGBTI+.

 

A partir dos motins que se desenrolaram no bar Stonewall Inn, em Nova Iorque, espaço de pertença e socialização de pessoas LGBT, frequentemente sujeitas à violência e perseguição policial, mostravam naquele mês de Junho de 1969, querer por termo à marginalização a que estavam sujeitas, tendo ao longo de uma semana, despertado uma onda de protestos revolucionários que se iriam depois fazer repercutir a outras partes do mundo. 

Expondo os crimes de ódio e desrespeito associados ao estigma de género e identidade sexual, os revolucionários movimentos activistas LGBTI+, mostravam reunir em si o sentido de uma comunidade própria, diversa, com voz e reconhecimento de um esforço comum pela visibilidade da(s) identidade(s) de género e alcance da universalidade dos direitos humanos. Ainda que sujeitos a tensões entre movimentos pela visibilidade gay, lésbica e trans, entre valores e representações limitadores da feminilidade e masculinidade, o sentido de comunidade LGBTI+ foi crescendo ao longo das últimas décadas do séc. XX, tendo a atrocidade causada pela pandemia VIH/SIDA, catapultado a criação de projectos políticos nacionais que reconhecessem e protegessem as pessoas LGBTI+.

Em Portugal, um país marcadamente católico e com profundas cicatrizes de um regime autoritário de longa data, o movimento LGBTI+ mostrara grandes dificuldades em se fazer expressar. Fora na década de 1990, muito por mérito das associações de apoio a pessoas VIH/SIDA (Associação Abraço), da força de partidos de esquerda (GTH-PSR), e da abertura do Centro Comunitário Gay e Lésbico em Lisboa (ILGA Portugal), que começaram a florescer os primeiros sinais de uma cultura queer. A também produção de conhecimento científico sobre Estudos de Género aliada à criação de legislação em matérias de sexualidade e igualdade de género, traziam o país, anos mais tarde, para uma posição pioneira em matérias de igualdade e diversidade nos rankings dos países mais LGBTI+ friendly do mundo.

Na década de 1990, muito por mérito das associações de apoio a pessoas VIH/SIDA (Associação Abraço), da força de partidos de esquerda (GTH-PSR), e da abertura do Centro Comunitário Gay e Lésbico em Lisboa (ILGA Portugal) começaram a florescer os primeiros sinais de uma cultura queer.

A abertura à diversidade e à democratização das relações de género, através da criação de legislação própria em matérias de não discriminação da orientação sexual ou da autonomização das identidades de género, trouxeram uma abertura e avanço ímpar no que toca ao reconhecimento e protecção de pessoas de identidade diversa, habitualmente entregues à clandestinidade social. Para isso muito contribuíram as instâncias internacionais, que reconhecem a diversidade de género e sexual, emitindo recomendações aos Estados de Direito, mas, e, sobretudo, a nível nacional, o papel de todas aquelas pessoas que contribuíram para a criação de um activismo LGBTI+. Um activismo que relembra os avanços e recuos no que toca a matérias do domínio do género, sexo e sexualidade, não deixando de reconhecer a inalienabilidade dos direitos humanos e da obrigatoriedade dos governos nacionais em produzirem legislação que proteja estas pessoas.

Actualmente, Portugal conta com mais de uma dúzia de marchas de Orgulho LGBTI+. Do Norte ao Sul do país, do interior para os arquipélagos, de Barcelos ao Algarve, Madeira e Açores, os movimentos em prol da defesa dos direitos de igualdade e reconhecimento identitário de género ou sexualidade, erguem-se face às clássicas e demagógicas assimetrias de género binário heterossexual. Lutando pela vida pessoal e social, pela vida em família, por trabalho e direito à cidadania, o mês do orgulho ainda que com restrições pandémicas volta a fazer-se cumprir nas ruas, não esquecendo que a diversidade ou a diferença que a todos nos caracteriza, continua a ser motivo de controlo e de marginalização para aqueles que transgridem as negativas convenções sociais. Um mês que sinaliza as lutas que faltam cumprir, apelando à acção e reflexão das narrativas opressivas e estereotipadas da(s) identidade(s) singulares e comunitárias.

Em Junho cumpre-se o direito a ocupar as ruas sob a cor do arco-íris.

 

Daniel Santos Morais é mestre em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e licenciado em Estudos Europeus pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

 

28 de Junho, a data incontornável do movimento LGBT

28 de Junho de 1969. A data é incontornável para o movimento LGBT. Foi nessa madrugada que há 43 anos que se deram os confrontos entre gays, lésbicas, bissexuais e transgéneros com elementos da polícia.