Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

Em Portugal e no Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"A Mulher Não é Inferior ao Homem"

livro a mulher não é inferior ao homem

“Se cada homem tornasse público aquilo que pensa sobre o nosso sexo, a opinião de que fomos criadas apenas para seu uso seria unânime, de que servimos apenas para gerar e zelar pelos filhos nos primeiros anos de vida, para tratar dos assuntos da casa e para obedecer, servir e satisfazer os nossos senhores, ou seja, eles mesmos, naturalmente.”  Sophia, A Mulher Não é Inferior ao Homem (Ideias de Ler, 2024)

 

 

Uma breve explicação sobre os machões e a “ideologia de género” 

antónio joão

1ª parte: era uma vez o homem, a mulher, o masculino, o feminino e a heterossexualidade 

 

 

Angela Davis: "A liberdade é uma luta constante"

angela davis

Recentemente, partilhei o quão inspirador foi conhecer os primeiros 28 anos de vida de Angela Davis. Se ficaram motivados a explorar mais sobre a sua vida e obra, destaco o livro "A Liberdade é uma Luta Constante", lançado em Portugal em 2020 pela editora Antígona.

Angela Davis, uma autobiografia

AngelaDavisumaautobiografia-antigona.jpg

No final de 2023, a editora Antígona lançou em Portugal a Autobiografia de Angela Davis, destacada activista norte-americana contemporânea. A obra, escrita aos 28 anos, mergulha nos desafios que marcaram a vida da activista, desde a infância em Birmingham, permeada pela segregação racial e ataques à comunidade negra. Por Nova Iorque, Europa, Cuba e pelo seu envolvimento nos movimentos negros ao regressar aos EUA no final dos anos 60.

 

 

Ocupar a rua, a cor é rosa: resistir e viver!

colombina clandestina

O grito de Carnaval simboliza a sua abertura, uma reivindicação do povo do carnaval, mas, sobretudo, a necessidade de reclamar anualmente a Liberdade! O Bloco da Colombina Clandestina está novamente a ocupar a rua para voltar a gritar pela liberdade e igualdade.
 
 

Uma livraria além dos livros: Greta abre agora portas em Lisboa

greta

A livraria Greta tem sido mais do que apenas uma livraria - é um ponto de encontro para a diversidade literária e uma plataforma para a celebração de todas as vozes que historicamente foram marginalizadas ou sub-representadas no mundo literário. Contendo exclusivamente obras da autoria de mulheres e de pessoas queer e não-binárias, a livraria abre agora portas físicas em Lisboa e promete continuar o trabalho de criação de espaços de encontro para o debate feminista.

 

 

As Inseparáveis de Simone Beauvoir 

9789897227172_1631006218.jpg

"Dissemos trivialidades, como as pessoas crescidas, mas de súbito percebi, com espanto e alegria,  que o vazio do meu coração, o sabor insípido dos meus dias, tinham um único motivo: a ausência  de Andrée. Viver sem ela não era viver. A irmã de Villeneuve sentou-se na sua cátedra e eu repeti para mim mesma: «Sem Andrée, deixo de viver.» A minha alegria transformou-se em angústia:  mas então, questionei-me, o que seria de mim se ela morresse?" 

 

 

O Dever de Deslumbrar: Biografia de Natália Correia por Filipa Martins

o dever de deslumbrar.jpeg

Natália é manusear um papiro antigo que ao toque abre novos veios e ramifica outros, desafiando o caminhante a uma viagem longa. Haverá cansaço, na exata razão do cansaço da vida. E haverá ficção, na exata razão da efabulação da vida.” - Filipa Martins sobre Natália Correia

 

Puta Feminista: Histórias de uma trabalhadora sexual de Georgina Orellano

putafeminista-k-l_grande.jpg

"Durante muito tempo, quando alguém aludia àquele que é o meu trabalho há quinze anos, fazia-o usando o eufemismo da profissão «mais antiga», mas, para mim, o que a humanidade tem de mais antigo é a condenação das mulheres, das lésbicas, das travestis, das trans e das prostitutas que bem condenadas temos sido - e continuamos a ser - nesta sociedade machista e patriarcal." Georgina Orellano, Puta Feminista (ed. Orfeu Negro, 2023)

"Mulheres Livres, Homens Livres: Sexo, Género, Feminismo" de Camille Paglia

mulheres livres homens livres.jpg

Considerada como uma das intelectuais mais influentes da actualidade e uma das principais teóricas dos “pós-feminismos”, ganhando destaque internacional após a publicação do seu livro Personas Sexuais (1990) - obra adaptada da sua tese de doutoramento na qual critica veementemente o feminismo e defende o poder criador da masculinidade e homossexualidade masculina -, o pensamento de Paglia mostra controvérsia e até certa contradição aos princípios feministas que diz advogar, prova disso é a sua recente obra “Mulheres Livres, Homens Livres: Sexo, Género, Feminismo”, publicada originalmente em 2017 e traduzida para português um ano depois por Hélder Moura Pereira com a chancela da Quetzal.

 

Corpos que Contam – Os limites discursivos do “sexo” de Judith Butler

corpos-que-contam-k_grande-_1_.png

“Defender que o sexo já tem género, que já é construído, não explica como se produz forçosamente a «materialidade» do sexo. Com que restrições se materializam os corpos como «sexuados», como entenderemos a «matéria» do sexo e, de maneira mais ampla, a dos corpos como repetida e violenta circunscrição da inteligibilidade cultural? Que corpos se materializam e contam (matter], e porquê?” - Judith Butler, Corpos que Contam (Orfeu Negro, 2023)

 

Não Serei Eu Mulher? As Mulheres Negras e o Feminismo

naoserei_eu_mulher_grande.png

Ain’t I a Woman (1981) ou, se quisermos em português, Não serei eu Mulher? (2018), é um clássico obrigatório da teoria feminista e reflexão interseccional. Pelas mãos de bell hooks, feminista e activista norte-americana, é resgatado o famoso discurso de Sojourner Truth (1852) para nos mostrar a sua indignação sobre a histórica diferença das experiências de mulheres negras e brancas no que toca aos papéis e identidades femininas. Para isso, bell hooks, constrói uma reflexão exímia em torno do impacto que a escravatura e o sexismo tiveram no estatuto social das mulheres negras norte americanas na segunda metade do séc. XX. 

Mulheres do Meu País - séc. XXI – Conversa com Cidália Vargas Pecegueiro

mulheres do meu país.jpg

Mulheres do Meu País – Séc. XXI, obra da autoria de Cidália Vargas Pecegueiro e fotografia de Margarida Pereira Müller, mostra trazer através de 31 histórias de vida de mulheres portuguesas dos nossos dias, um tributo ao 75º aniversário da obra homónima de Maria Lamas, escritora, jornalista e feminista portuguesa que procurara desconstruir a figura monolítica da mulher inculcada pela ideologia patriarcal do Estado Novo. 

"Recordações da Minha Inexistência: Memórias" de Rebecca Solnit 

livro recordações da minha existência

Certo dia, muito tempo atrás, olhei para mim mesma de frente num espelho de corpo inteiro e vi  minha imagem escurecer e ficar nebulosa e então recuar, como se eu estivesse desaparecendo do  mundo, e não afastando aquilo da minha mente.” (P.9:2021)